28 fevereiro 2017

Participação no VIII Capítulo da Confraria do Bucho Raiano

(Sabugal)

A Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronomica da Madeira participou no VIII Capítulo da Confraria do Bucho Raiano, que se realizou em 25 de Fevereiro, nas localidades de Sabugal e de Casteleiro, Terras de Riba - Côa, Distrito da Guarda.

Estreito de Câmara de Lobos, 28 de Fevereiro de 2017.



27 fevereiro 2017

Essência do Vinho 2017 distingue vinho fortificado da Madeira

"Barbeito 30 Anos Malvasia Vó Vera" no top 10 dos vinhos portugueses.



Dois vinhos do Douro - um branco e um tinto - e um vinho fortificado da Madeira venceram a prova "TOP 10 Vinhos Portugueses" da Essência do Vinho deste ano que decorreu quinta-feira no Palácio da Bolsa, no Porto.

O vinho fortificado que recolheu a preferência do júri foi o Barbeito 30 Anos Malvasia Vó Vera, um vinho da Madeira elaborado pela Barbeito, com autoria de Ricardo Diogo Freitas. 

A eleição dos vinhos esteve a cargo de um painel de jurados composto por 40 especialistas, entre os quais jornalistas, críticos de vinhos, bloguistas, de 12 nacionalidades, que avaliou um total de 61 vinhos pré-selecionados.

Na vertente de bonificados, em segundo e terceiro lugares ficaram, respetivamente, o vinho do Porto Kopke Colheita 1957 da Sogevinus Fine Wines, e um da Península de Setúbal, o Bacalhôa Moscatel de Setúbal Superior de 1995.

Já o vinho branco com mais elevada classificação foi o Alves de Sousa Pessoal 2008, do produtor Domingos Alves de Sousa, com enologia do filho, Tiago Alves de Sousa, do Douro. Nesta categoria, em segundo lugar, ficou o vinho Quinta de Santiago Alvarinho, reserva de 2015, da Nenúfar Real.

Também do Douro, o melhor vinho tinto eleito é o Passagem Grande Reserva 2009, elaborado pela Quinta das Bandeiras, com enologia de Jorge Moreira, no segundo posto ficou o Menino António Alicante Bouschet (2014) e no terceiro o Quinta da Touriga Chã (2014).

Com pontuação ex-aequo, em quarto lugar no que respeito aos vinhos tintos, foram eleitos o Chriseya 2014, Symington Family Estates, Douro, e o Pedra Cancela Amplitude 2013, Pedra Cancela, Dão.

Presença em França no Capítulo da "Confrérie de Saint-Romain en Bordejais et Pays Libournais"

A Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronómica da Madeira marcou presença no Capítulo da "Confrérie de Saint-Romain en Bordejais et Pays Libournais", que se realizou no dia 25 de Fevereiro,  na região de Nova Aquitaine, sul-oeste de França.

Estreito de Câmara de Lobos, 27 de Fevereiro de 2017


"Como publicado há uns tempos atrás na página oficial da AMC/CGM (http://amc-cgm.blogspot.pt), uma delegação representativa da Confraria Gastronómica da Madeira deslocou-se a França, mais precisamente a Libourne, na região de Nouvelle-Aquitaine para participar no XIX Capítulo da "Confrérie de St Romain en Bordelais et Pays Libournais".
Foi com grande prazer que me juntei à Sr.ª Klara Cardone, nossa Confrade de Honra e representante em Itália, ao nosso confrade efectivo e representante em Portugal e em várias regiões de França e de Espanha, o António Silva, e ao futuro confrade e representante na região do Sud-Ouest em França, o Joel Fernandes Dionísio, que aceitou o meu convite e se deslocará à Madeira para ser intronizado como manda o regulamento.
Este ano o país convidado foi a Bélgica, daí a presença de cerca de 20 confrarias belgas. Estavam ainda presentes muitas confrarias francesas, algumas portuguesas, espanholas ou ainda italianas.
Foi ao som da banda que o Cortejo com cerca de 7 dezenas de confrarias presentes percorreu algumas das ruas desta cidade de Libourne (tem cerca de 36.000 habitantes) e se reuniu na Praça Central para a parte mais política, sendo recebida pelo Presidente da Câmara que remeteu por um dia as "chaves da cidade" ao presidente da Confraria de St. Romain. Novamente em cortejo fomos dirigidos para a grande sala de festas onde por volta das 15h30 começou o Capítulo propriamente dito, com as entronizações dos novos membros efectivos assim como dos cerca de 50 confrades de honra. Já por volta das 20h30 os cerca de 300 convidados sentaram-se à mesa para partilharem o banquete que ao longo da noite fomos descobrindo e, sobretudo, degustando um magnífico menu. 
Durante o banquete animado com um acordionista, houve também espaço para um jogo que consistia contra 2 euros estimar o peso de um cabaz com produtos locais, tal como algumas garrafas de vinho Bordéus, um presunto, entre outros produtos regionais. A sorte desse jogo decidiu que fosse eu a ganhar o dito cabaz, pois à abertura do envelope que continha o peso exacto, ao ser divulgado tinha eu errado em apenas 8 gramas.
Mas para além destes momentos houve também tempo para falarmos da Confraria que representamos, da região de onde vimos e do nosso Capítulo. A esse respeito tive a confirmação de mais algumas confrarias belgas e também francesas no nosso Capítulo, a 28, 29, 30 de Abril e 1 de Maio.

A confirmar o que já se sabia há algum tempo de fonte segura. Fui informado que a candidatura de adesão da Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronómica da Madeira à FICB - Federação Internacional de Confrarias Báquicas não foi aceite e para isso contribuiu a opinião negativa de Faro da Silva, presidente da Confraria do Vinho Madeira, quando consultado sobre o assunto pelo presidente da Federação Portuguesa de Confrarias Báquicas, membros da FICB, e a pedido do presidente dessa mesma instituição. 
Se para mim não foi notícia visto já ter sido informado e esperava apenas o momento de informar os dirigentes da AMC/CGM, acho muito triste e com uma certa mesquinhez que sejam as próprias pessoas que mais deviam nos apoiar, que destroem o que com muito esforço temos vindo a construir, divulgando a cada saída a gastronomia madeirense, os seus usos e costumes e, como sempre, levamos umas garrafas do nosso Vinho Madeira para partilharmos e fazer descobrir a quem visitamos. Este é o meu ponto de vista e assumo plenamente.

Lino de Jesus Dionisio
Suíça, 27 de Fevereiro 2017"











































24 fevereiro 2017

Relações estabelecidas com a "Confrérie des Amis d`Ammerschwihr et du Kaefferkopf"

Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronómica da Madeira estabeleceu relações cordiais com a "Confrérie des Amis d`Ammerschwihr et du Kaefferkopf" da riquíssima região vinícola de Alsácia.
A Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronómica da Madeira deseja fortalecer as suas relações com a "Confrérie des Amis d`Ammerschwihr e duKaefferkopf" e igualmente procurar estabelecimento de boas relações com outras confrarias gastronómicas e báquicas da Região da Alsácia.

Estreito de Câmara de Lobos, 24 de Fevereiro de 2017.






‘Barbeito 30 Anos Malvasia Vó Vera’ premiado no Porto

‘Essência do Vinho 2017’ distinguiu dois vinhos do Douro e o Vinho Madeira na prova ‘TOP 10 Vinhos Portugueses’.


Dois vinhos do Douro - um branco e um tinto - e um vinho fortificado da Madeira venceram a prova “TOP 10 Vinhos Portugueses” da Essência do Vinho deste ano que decorreu quinta-feira no Palácio da Bolsa, no Porto.
O vinho fortificado que recolheu a preferência do júri foi o Barbeito 30 Anos Malvasia Vó Vera, um vinho da Madeira elaborado pela Barbeito, com autoria de Ricardo Diogo Freitas.
A eleição dos vinhos esteve a cargo de um painel de jurados composto por 40 especialistas, entre os quais jornalistas, críticos de vinhos, bloguistas, de 12 nacionalidades, que avaliou um total de 61 vinhos pré-selecionados.
Na vertente de bonificados, em segundo e terceiro lugares ficaram, respetivamente, o vinho do Porto Kopke Colheita 1957 da Sogevinus Fine Wines, e um da Península de Setúbal, o Bacalhôa Moscatel de Setúbal Superior de 1995.
Já o vinho branco com mais elevada classificação foi o Alves de Sousa Pessoal 2008, do produtor Domingos Alves de Sousa, com enologia do filho, Tiago Alves de Sousa, do Douro. Nesta categoria, em segundo lugar, ficou o vinho Quinta de Santiago Alvarinho, reserva de 2015, da Nenúfar Real.
Também do Douro, o melhor vinho tinto eleito é o Passagem Grande Reserva 2009, elaborado pela Quinta das Bandeiras, com enologia de Jorge Moreira, no segundo posto ficou o Menino António Alicante Bouschet (2014) e no terceiro o Quinta da Touriga Chã (2014).
Com pontuação ex-aequo, em quarto lugar no que respeito aos vinhos tintos, foram eleitos o Chriseya 2014, Symington Family Estates, Douro, e o Pedra Cancela Amplitude 2013, Pedra Cancela, Dão.
A organização da Essência do Vinho, que decorre até domingo no Palácio da Bolsa, no Porto, agendou para esta noite, em jantar cerimónia na Feitoria Inglesa, o anúncio dos vencedores.

Três associações de Caça 'apoiam' o Coelho-Bravo

A Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronómica da Madeira, na defesa cultural e gastronómica dos povos do Arquipélago da Madeira, associa-se às Associações do Clube de Tiro Caça e Pesca da Madeira, Associação de Caçadores da Região Autónoma da Madeira e à Associação de Caçadores da Madeira e Porto Santo no apoio à reintrodução do coelho-bravo na ilha do Porto Santo.

Estreito de Câmara de Lobos, 24 de Fevereiro de 2017.


Notícia: Diário de Notícias da Madeira, edição impressa de 24 de Fevereiro de 2017.

22 fevereiro 2017

Pedra influencia sabor do pão

CTPão reúne-se pela primeira vez.

Para que o pão tradicional madeirense, incluído o bolo do caco, mantenha o sabor característico e toda a sua genuinidade, convém também que seja cozido em forno de pedra natural de origem vulcânica, a chamada cantaria "mole".

Fonte: JM-Madeira, edição impressa de 22 de Fevereiro de 2017.


Pão tradicional não se fica pelo formato

O forno utilizado, bem como os ingredientes concedem sabor único ao pão.

Os produtos regionais como o pão de casa e o bolo do caco são mais do que o seu formato. A qualidade é firmada pela forma como são confeccionados e pelos produtos utilizados.

Fonte: Diário de Notícias da Madeira, edição impressa de 22 de Fevereiro de 2017.


21 fevereiro 2017

Comissão Técnica do Pão Tradicional da Madeira reúne-se esta terça-feira pela primeira vez

Secretário regional de Agricultura e Pescas preside à abertura da 1.ª reunião.


Esta terça-feira, pelas 15 horas, vai decorrer a 1.ª reunião da Comissão Técnica do Pão Tradicional da Madeira (a CTPão), cuja abertura será presidida pelo secretário regional de Agricultura e Pescas.
O evento será no auditório da Secretaria Regional de Agricultura e Pescas, no 5.º Andar, do Edifício Golden Gate, no Funchal.
A CTPão é um órgão consultivo da Secretaria Regional de Agricultura e Pescas criado pela Portaria n.º 406/2016, de 28 de setembro, ao abrigo do que prevê o Decreto Legislativo Regional n.º 4/2016/M, de 2 de fevereiro, o qual estabelece o regime relativo à produção e comercialização do Pão Tradicional da Região Autónoma da Madeira.
Este diploma veio reconhecer a especificidade, a tipicidade e a qualidade distinta de certos produtos da panificação desenvolvida na Região Autónoma da Madeira, bem como estabelecer as regras gerais relativas à produção e comercialização desses produtos, protegendo-os contra o aviltamento e a imitação, procurando preservar este inestimável património cultural e gastronómico regional.
Entre as variedades de pão tradicional da Madeira, destacam-se o Bolo-do-caco e o Pão-de-Casa, cujo principal factor distintivo ao nível dos ingredientes, é a utilização da batata-doce, tubérculo este que imprime à massa panar características sápidas e de aroma inconfundíveis, e cujo uso está relacionado com a tradição, importância e disseminação desta cultura agrícola no território da Região Autónoma da Madeira, pelo menos desde o século XVII.
Das várias competências da CTPão destacam-se: aprovar a definição das características das diferentes variedades de Pão Tradicional da Madeira, através do estabelecimento do seu receituário base, modo de produção, formatos, intervalos de pesos nominais e as formas de acondicionamento e embalagem; analisar e emitir parecer, sobre as condições especiais a que devem obedecer as instalações dedicadas ao fabrico, bem como os equipamentos e utensílios a utilizar no processo produtivo de Pão Tradicional da Madeira; analisar e emitir parecer sobre o Manual de Boas Práticas para a produção e comercialização das diferentes variedades de Pão Tradicional da Madeira, e conduzir o processo de reconhecimento dos produtores de Pão Tradicional da Madeira.
A CTPão é composta por representantes das associações reconhecidas das áreas da produção artesanal e industrial de produtos de panificação e da sua comercialização e dos departamentos da administração pública regional que tutelam estes sectores, bem como, por representantes de outras entidades, públicas e privadas, ligadas à cultura e à gastronomia madeirense.
Esta Comissão Técnica envolve, de base, a direcção regional de Agricultura, que a ela preside, a direcção regional de Economia e Transportes, a Autoridade Regional das Actividades Económicas, a Associação dos Industriais de Panificação, Pastelaria e Confeitaria da RAM (AIPPCRAM), a Associação Comercial e Industrial do Funchal (ACIF), a Associação de Desenvolvimento da Região Autónoma da Madeira (ADRAMA), a Associação de Casas do Povo da Região Autónoma da Madeira (ACAPORAMA), a Escola Profissional de Hotelaria e Turismo da Madeira, a Confraria Gastronómica da Madeira e, já a partir desta primeira reunião, a Direcção Regional de Cultura, a Associação de Agricultores da Madeira (AAM), e a Associação de Jovens Agricultores da Madeira e do Porto Santo (AJAMPS).
Neste encontro de entrada de funcionamento da CTPão, entre outros pontos, será analisado o projecto do seu Regulamento Interno, e colocada à apreciação uma proposta de Manual de Boas Práticas para a produção e comercialização de diferentes variedades de Pão de Tradicional da Madeira.
De destacar que, no âmbito da reunião, e dado que temas de grande importância para os membros da CTPão, serão incluídas duas apresentações:
- ‘A importância do forno de pedra natural de origem vulcânica (cantaria ‘mole’) na qualidade e sabor do pão e da doçaria regional’ – por João Baptista (Investigador, UI GEOBIOTEC, Universidade de Aveiro);
- ‘O Caderno de Especificações do Pão de Casa da Madeira – Indicação Geográfica Protegida’ - por Ana Soeiro (directora executiva da Qualifica - Associação Nacional de Municípios e de Produtores para a Valorização e Qualificação dos Produtos Tradicionais Portugueses, representante em Portugal do movimento ORIGIN, organização não governamental criada em 2003 para responder ao fenómeno crescente das usurpações que afectam as Indicações Geográficas, e que representa hoje mais de 350 Agrupamentos de Produtores de IGs, provenientes de mais de 40 países).

20 fevereiro 2017

Vila da Camacha recebeu encontro da AMC/CGM

O  encontro da Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronómica da Madeira realizou-se no dia 18, no restaurante "O Cesto", na Vila da Camacha, município de Santa Cruz. 
Neste encontro a "Feijoada Madeirense", o "Frangollho com cavalas" e a "Dobrada Madeirense" foram reis e senhores deste evento.
Este encontro foi uma oportunidade para a maioria dos confrades e seus convidados degustar pela primeira vez o muito raro "Frangolho com Cavalas", prato típico dos povos do Arquipélago da Madeira.

Estreito de Câmara de Lobos, 20 de Fevereiro de 2017.

































Com tecnologia do Blogger.

 

© 2013 Academia Madeirense das Carnes - Confraria Gastronómica da Madeira. All rights resevered. Designed by Templateism

Back To Top