07 fevereiro 2019

Encontro cultural e enogastronómico de Fevereiro no Restaurante Só Espeto no dia 23


O encontro cultural e enogastronómico de Fevereiro da Confraria Enogastronómica da Madeira realiza-se no dia 23, no restaurante "Só Espeto", no Município de Santa Cruz, Região Autónoma da Madeira.

Estreito de Câmara de Lobos, 7 de Fevereiro de 2019.

Restaurante do Funchal vai até Lisboa dar a provar as iguarias da Madeira

Restaurante Kampo vai até à capital confeccionar gaiado seco de escabeche, sopa de trigo e ainda espetada madeirense com milho frito.


O restaurante Kampo, no Funchal (Rua das Murças), vai até Lisboa (Gate 67, em Marvila) entre os dias 22 e 24 de Fevereiro, a fim de participar no evento ‘Mesas Bohemia - Quando os restaurantes trocam de cidade’.
A iniciativa organizada por uma empresa nacional de cervejas convida assim pela primeira vez um restaurante das ilhas até à capital portuguesa para integrar este evento que percorre o país de Norte a Sul, conjugando as experiências gastronómicas e cervejeiras numa autêntica “viagem de sabores”.
Nesse sentido, saiba que para começar será servido, como entrada, um bolo do caco com manteiga de alho, seguindo-se três pratos bem tradicionais: gaiado seco de escabeche, sopa de trigo e, como não poderia deixar de ser, espetada madeirense com milho frito. Ao terminar, para sobremesa, haverá bolo de mel e pitanga.
Com um custo de 30 euros por pessoa, o preço inclui entrada, três pratos, três bohemias, sobremesa, água luso e café. Na sexta e sábado as portas abrem às 20 horas, já no domingo o evento desenrola-se ao almoço, às 13h30.

06 fevereiro 2019

Língua Portuguesa: Fui ao gourmet e tramei-me

Gourmet? Nunca mais lá volto. Sabem que mais? Porque se quero comer aperitivos, como bolinhos de bacalhau e tremoços, que são muito mais saudáveis e baratos. Fui ao gourmet e tramei-me, por Francisco Gouveia.

Sou um tipo moderno. E chique. Muito chique. Por isso não podia deixar de entrar num restaurante gourmet da moda. Vesti um Armani que comprei num saldo dos chineses, calcei umas sapatilhas com uma vírgula estampada que regateei ao ciganito da feira e esvaziei, pelo pescoço abaixo, meio frasco de Chanel dos marroquinos.
Fui ao gourmet e tramei-me, por Francisco GouveiaLíngua Portuguesa: Fui ao gourmet e tramei-me

E foi assim, cheio de cagança, como mandam as regras do pelintra luso, que fui jantar ao tal restaurante, gerido por um “chef” reputado com categoria internacional e olímpica.
Tramei-me! Antes tivesse ido ao tasco da esquina aviar uma bifana! Confesso que já levei muita tanga, mas como esta, nunca! Passei fome, fui gozado e fui roubado!
Fui ao gourmet e tramei-me, por Francisco GouveiaLíngua Portuguesa: Fui ao gourmet e tramei-me

Sempre achei que cozinhar era uma ato de descontração, de partilha, de alegria, de afeto. E eu devia desconfiar, porque aqueles concursos gastronómicos das TVs transformaram uma atividade social sadia, numa agressão stressante, provocadora de lágrimas e depressões.
Já para não falar das parvoíces dos mestres cozinheiros da moda, cujos pratos estapafúrdios e minimalistas se apelidam agora de “criatividade culinária”.
Fui ao gourmet e tramei-me, por Francisco GouveiaLíngua Portuguesa: Fui ao gourmet e tramei-me

Colocaram-me um prato à frente que é mais difícil de decifrar que as palavras cruzadas do JN ao domingo.
Um prato que exibe 5 cm2 de um pobre robalo que pereceu inutilmente só para lhe extraírem um pedacito do cachaço, meia batata engalanada com um pé de salsa, e 2 ervilhas a nadarem numa colher de chá de um azeitado molho de escabeche, bem disfarçado com um nome afrancesado que nem vem nos dicionários.
Para remate, três riscos de uma substância pastosa, estilo Miró, para preencher os restantes 90% do prato vazio.
Fui ao gourmet e tramei-me, por Francisco Gouveia

E o bruto do português, habituado à sua travessa de cozido e ao panelão de feijoada, olha para aquilo com uma cara de parvo capaz de partir todos os espelhos lá de casa.
Esboça-se um sorriso amarelo, engole-se em seco, diz-se que está tudo ótimo ao empregado de mesa que mais parece uma melga à nossa volta, e enfiam-se dois Xanaxs quando nos metem a conta à frente. E, a muito custo, cala-se o berro de duas peixeiradas à nortenha que nos vai na alma.
Fui ao gourmet e tramei-me, por Francisco Gouveia

Nunca mais lá volto. E sabem que mais?
Porque se quero comer aperitivos, como bolinhos de bacalhau e tremoços, que são muito mais saudáveis e baratos.
Porque para ver pintura abstrata, vou a uma exposição.
Fui ao gourmet e tramei-me, por Francisco GouveiaLíngua Portuguesa: Fui ao gourmet e tramei-me

Porque detesto jantar uma comida onde toda a gente meteu as mãos.
Porque para ser roubado bastava ir à Autoridade Tributária, vulgo Finanças.
E, acima de tudo, porque desconfio de um cozinheiro que vive e trabalha com a ambição obsessiva de ser medalhado por uma companhia de pneus.
Autor: Francisco Gouveia

04 fevereiro 2019

Gastronomia de Paris demonstra pouca identidade

No regresso à Madeira após ter participado no dia 26 na "XIX Fete de Saint-Vincent et de Les Vignerons de L`AOP AJACCIO" e no "Capítulo da Confrérie des Compagnons du Sciaccarellu", que se realizou na capital da ilha francesa da Córsega, tive a oportunidade de fazer uma pausa de viagem de dois dias na chamada "cidade luz", ou seja em Paris.
Ao contrário da Córsega de onde vinha satisfeito pela experiência gastronómica vivida na "Belle Île", encontro em Paris uma oferta gastronómica muito pobre, sem qualidade e muito mais grave, sem identidade.
Em três restaurantes onde estive oportunidade de degustar a gastronomia na cidade de Paris, dois foram super péssimos no serviço, qualidade e apresentação dos pratos. No terceiro foi dado por mim de 1 a 20 o valor de 12 pontos no serviço e de 9 pontos na apresentação e qualidade do prato.

Gregório J.S.Freitas

Estreito de Câmara de Lobos, 4 de Fevereiro de 2019.





01 fevereiro 2019

31 janeiro 2019

Presença em Gondomar no IX Capítulo da Confraria Gastronómica "Rojões e Papas de Sarrabulho"

A Confraria Enogastronómica da Madeira participou no IX Capítulo da Confraria Gastronómica "Rojões e Papas de Sarrabulho" de Baguim do Monte, que se realizou a 27 de Janeiro, no Município de Gondomar, Distrito do Porto.

Estreito de Câmara de Lobos, 31 de Janeiro de 2019.






Presença na ilha francesa da Córsega


A Confraria Enogastronómica da Madeira esteve de 23 a 28 de Janeiro na ilha francesa da Córsega, onde no dia 26 participou no Capítulo da Confrérie dos Compagnons du Sciaccarrellu.
Mesmo encontrando na Córsega temperaturas entre os -2 e 4 graus positivos, para quais os madeirenses não estavam preparados, esta deslocação foi a primeira da C.E.M à Córsega e representou uma oportunidade para conhecermos o valor que é dado ao vinho e à gastronomia da Córsega na promoção turística do seu respectivo território.

Gregório J.S. Freitas

Estreito de Câmara de Lobos, 31 de Janeiro de 2019.

Vídeo

Na Imprensa:

> Corse Net Infos: Ajaccio se met à l’heure de la Saint-Vincent!

> Corse Matin: La Saint Vincent célébrée à Ajaccio

> Corse Matin: DIAPORAMA. La Corse sous la neige















































Com tecnologia do Blogger.

 

© 2013 Academia Madeirense das Carnes - Confraria Gastronómica da Madeira. All rights resevered. Designed by Templateism

Back To Top