30 abril 2017

Confraria Gastronómica da Madeira quer certificação mais rápida dos produtos madeirenses


A Confraria Gastronómica da Madeira alerta para a necessidade de certificar o Bolo do Caco e o Pão Caseiro Regionais o quanto antes, para combater os produtos sem qualidade. Por estes dias a Madeira recebe 35 confrarias gastronómicas europeias para divulgar os produtos regionais.

Veja a reportagem do Telejornal Madeira:


Acompanhe a notícia da Antena1Madeira:

28 abril 2017

Confraria Gastronómica reúne no próximo fim-de-semana

A Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronómica da Madeira realiza no próximo fim de semana o seu XVII Capítulo.
A reunião arranca sábado, às 9 horas, na Praça do Município, na Cidade do Funchal seguida de uma visita ao Mercado do Lavradores.
A confraria é uma associação cultural independente de toda a posição política e religiosa, os seus membros devem abster-se de qualquer proselitismo.
A confraria admite nas suas fileiras pessoas de boa vontade. Todas as crenças são permitidos. Todas as raças são aceitas. Sem qualquer tipo de discriminação.
A conduta dos membros da confraria deverá ser irrepreensível, e o seu comportamento  de acordo  com as leis em vigor no país.
Amizade e fraternidade são a regra entre os membros da Confraria.
A confraria é Embaixadora da sua região, dos seus produtos e da sua herança cultural gastronómica e báquica. Como tal, ela precisa manter boas relações com outras confrarias. reuniões Inter-irmandades e visitas recíprocas são desejáveis se não obrigatório.
A confraria não deve cair em um folclore grotesca, mas refletir um certo estilo de vida. A realização dos seus membros, desfiles, festas e capítulos deve ser de qualidade e refletir o espírito  do movimento confrádico internacional.

Confrarias europeias vêm visitar o Mercado dos Lavradores


A Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronómica da Madeira iniciou o seu XVII Grande Capítulo com uma visita ao concelho de São Vicente.
Em nota à imprensa informa que, no sábado, os confrades vão, pelas 9 horas, aos Paços do Concelho do Funchal apresentar os cumprimentos ao presidente da Câmara Municipal do Funchal, Paulo Cafôfo.
Pelas 10 horas, as cerca de 35 confrarias europeias vão deslocar-se pela cidade do Funchal rumo ao Mercado dos Lavradores onde irão apreciar e saborear os produtos da terra enquanto ficam a conhecer um pouco da história do imóvel.
Programa do XVII Grande Capítulo - Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronómica da Madeira
Região Autónoma da Madeira
– 28, 29, 30 de Abril e 1 de Maio de 2017 – 

28 Abril (sexta-feira)
18:00H – Encontro das confrarias na Praça do Município, concelho do Funchal.
18:15H – Tour de autocarro para recolher os confrades nos diferentes hotéis, com destino ao concelho de São Vicente.
19:30H – Recepção pelo presidente do município de São Vicente com beberete.
20:30H – Jantar de boas-vindas em São Vicente.
23:00H – Regresso ao Funchal.

29 Abril, (Sábado)*
09:00H – Encontro das confrarias na Praça do Município, concelho do Funchal.
09:15H - Recepção na Câmara do Funchal pelo presidente do município seguida de visita guiada ao Mercado dos Lavradores (inclui beberete).
11:00H – Tour de autocarro até ao concelho do Porto Moniz.
12:00H – Recepção pelo presidente do município do Porto Moniz com beberete.
14:00H – Almoço no concelho do Porto Moniz.
17:30H – Regresso ao Funchal.

30 Abril, (Domingo)*
9:00H – Tour de autocarro para recolher os confrades nos diferentes hotéis com destino ao concelho da Calheta.
10:00H – Missa na igreja do Espírito Santo (matriz do concelho da Calheta)
11:00H – Recepção pelo presidente do município da Calheta com beberete no Engenho da Calheta.
12:30H – Cerimónia do XVII Grande Capítulo – auditório na Calheta
14:00H – Almoço Confrádico no Savoy Saccharum Resort & Spa

1 Maio, (Segunda-feira - traje livre)
09:00H – Tour de autocarro para recolher os confrades nos diferentes hotéis, com destino ao concelho de Câmara de Lobos.
10:00H – Recepção pelo presidente do município de Câmara de Lobos com beberete.
12:00H – Visita ao miradouro do Cabo Girão.
13:00H – Visita guiada à Fajã dos Padres seguida de almoço.

17:30H – Regresso ao Funchal.

Fonte: Diário de Notícias da Madeira, edição online.

24 abril 2017

Academia Madeirense das Carnes junta confrades

Uma imagem de uma reunião do grupo, esta de 2014. Foto Arquivo

O XVII Capítulo da Academia Madeirense das Carnes - Confraria Gastronómica da Madeira decorre a partir da próxima sexta-feira, até ao dia 1 de Maio e vai contar com a presença de uma delegação de 14 elementos que fazem parte da ordem Veinnmail Onogastronnomia Vesnnkond, da Estónia. Além destes são esperados representantes de outras confrarias gastronómicas de Portugal continental, Açores, Cabo Verde, Espanha, Itália, França, Suíça, Bélgica e da Roménia.

Fonte: Diário de Notícias da Madeira, edição online.

Madeira deve ter uma produção de cana-de-açúcar a rondar as 10,5 mil toneladas


O Governo Regional da Madeira estima para este ano uma produção de 10 mil e 500 toneladas de cana-de-açúcar. O arranque dos dois engenhos da Calheta ditou a realização da primeira Rota do Açúcar, que este domingo terminou com um cortejo etnográfico.

23 abril 2017

Histórias de quem escolheu sair da ilha para ser feliz

Emigrantes que procuraram a felicidade.

A VIDA de emigrantes de gerações diferentes. Relatos de sacrifícios e sucessos de quem um dia decidiu partir da ilha em busca de um sonho.





21 abril 2017

O que é regional é bom!

Se tem dúvidas sobre a nossa Poncha, convidamo-lo a provar e deixar a sua opinião!


"A nossa ilha é conhecida pelos quatro cantos do mundo, seja pela sua beleza natural, pelas personalidades que transportam em si o nosso nome, mas também pela nossa cultura e tradições.
É tradição, é regra, é imperativo. Os espaços da área da restauração são um dos maiores disseminadores de nossa cultura e exemplo disso é todos estarem prontos a servir a nossa bebida mais conhecida e apreciada, a Poncha!
Os limões, as tangerinas, os maracujás... no The Small House fazemos questão de ter os frutos mais frescos, regionais e, juntando à aguardente de cana-de-açúcar madeirense e ao mel, esforçamo-nos para elaborar uma Poncha deliciosa e fresca, capaz de seduzir o provador mais esquivo.
As suas origens remontam à Índia, mas o estabelecimento da bebida na Região deve-se, em parte, ao aguardente e melaço de cana que eram produzidos na ilha, no século XV. O verdadeiro aparecimento da Poncha como ela é divaga pelo século XIX, onde era consumida pelas famílias madeirenses mais ou menos abastadas. Cresceu e manteve-se parte da nossa história e, desde 2014, tem a sua identificação geográfica protegida, para a regulação da sua produção e comércio, como “Poncha da Madeira”. Ao estar regulada, e para proteger os produtores da cana sacarina, do aguardente regional e o seu modo de produção, a Poncha da Madeira só pode ser designada como tal na ilha da Madeira e no Porto Santo.
Orgulhosos que somos por sermos madeirenses e estarmos na terra da cana-de-açúcar (Ponta do Sol), oferecemos aos nossos visitantes um pouco de história madeirense. À Pescador, Tradicional, Regional, de Tangerina ou de Maracujá, elaboramos uma Poncha capaz de animar o habitual consumidor e convencer os visitantes estrangeiros.
Se tem dúvidas sobre a nossa Poncha, convidamo-lo a provar e deixar a sua opinião!
Para mais informações, visite o nosso Facebook, Instagram e TripAdvisor.
(devido ao uso de bebida alcoólica na confecção da Poncha, aconselhamos moderação no seu consumo)."


Tradição do Rum da Madeira está em voga

Tão antigo como os 600 anos de história humana na ilha o Rum da Madeira está a ganhar fama internacional.

Reportagem da edição 61 - Abril / Maio da revista 'Essential Madeira Islands'.






19 abril 2017

Vinhos do Porto Santo em concurso

Iniciativa decorre este sábado.


A Junta de Freguesia do Porto Santo organiza este ano a segunda edição do concurso de vinhos, evento que tem lugar este sábado, 22 de Abril.
De acordo com o regulamento do concurso, os agricultores interessados em participar podem inscrever-se até amanhã, dia 19.
O concurso, explica a Junta, “pretende revitalizar e valorizar os produtos da terra, através do vinho do Porto Santo, em simultâneo estimular a produção e divulgação do mesmo, sabendo a grande importância que tem para a nossa ilha.”
Uma nova da autarquia explica que “o vinho do Porto Santo é um dos vinhos com grau superior ao das outras castas devido ao tipo de solo, assim produzindo vinhos mais maduros”.
Neste âmbito a Junta de Freguesia do Porto Santo promove este concurso com o objetivo de incentivar os agricultores a continuar a manter a qualidade neste produto, tão importante para a nossa bela ilha.
Fonte: Diário de Notícias da Madeira, edição on-line.

18 abril 2017

Secretário-geral entrevistado no programa "Atlântida - Madeira" da RTP-Madeira


O Secretário-geral da Direcção da AMC/CGM, Márcio Ribeiro, foi entrevistado no programa televisivo 'Atlântida - Madeira', transmitido pela RTP-Madeira no dia 15 de Abril, onde teve a oportunidade de divulgar a nossa Confraria e o XVII Grande Capítulo da Academia Madeirense das Carnes / Confraria Gastronómica da Madeira.

A entrevista pode ser vista aqui a partir do minuto 36:40s e na 2ª parte do programa

17 abril 2017

Fábrica Mel-de-Cana Ribeiro Sêco


Fábrica Mel-de-Cana Ribeiro Sêco de V. Melim, Lda
Fundada em 1883  

Com mais de 125 anos de história, a Fábrica Mel-de-Cana Ribeiro Sêco de V. Melim, Lda é uma referência na produção de mel-de-cana, um produto que cruza a sua identidade com a própria identidade da Ilha da Madeira. 

Logo depois do descobrimento da Ilha, em 1419, este espaço afirmou-se entre os produtores de cana-de-açúcar, actividade que se tornou basilar no desenvolvimento e prosperidade da Madeira. Desde então e até hoje, o brasão da cidade do Funchal guarda como armas os cinco pães de açúcar.

A produção de açúcar, mel-de-cana e aguardente atingiu o seu expoente máximo nos séculos XV e XVI, pois ainda que os 33 engenhos fossem de pequenas dimensões, muitos estrangeiros afirmavam que o açúcar da Madeira era o melhor do mundo.

No século XVIII, depois de um período menos bom, apenas laborava o engenho da Ribeira dos Socorridos. Importante no revitalizar deste produto, este engenho foi o “pai” da Fábrica Mel-de-Cana Ribeiro Sêco, cujos registos históricos unem por relação familiar.

Em 1883, nasce o engenho do Ribeiro Sêco, pelas mãos de Aluísio César Bettencourt, mas é na direcção de seu filho, Luís Vogado Bettencourt que o nome desta fábrica se confunde com o próprio mel. Com o encerramento dos engenhos de aguardente em 1927, Luís Vogado Bettencourt hipoteca todo o seu património e recorre à banca para investir na fábrica, tornando-a num engenho especializado para a produção do mel-de-cana. Ficando, assim, a Fábrica Mel-de-Cana Ribeiro Sêco, conhecida por engenho do mel.

À sua morte, a fábrica passa a ser gerida pela sua esposa, Maria Ilda Bettencourt, sendo depois herdada pelos seus sobrinhos Jaime dos Anjos Melim e Vasco Rates de Melim. É Vasco Rates de Melim que se dedica então à produção de mel-de-cana continuando a obra dos seus antepassados até hoje, partilhando a Fábrica Mel-de-Cana Ribeiro Sêco com Maria Alexandra Melim Camacho, Maria Luísa Melim Encarnação, José Alberto Melim e João Carlos Melim.

Entre períodos de auge e outros de menor produção, o mel-de-cana nunca deixou de ser produzido e sobretudo de estar à mesa dos madeirenses, em especial no Carnaval e no Natal. Fábrica Mel-de-Cana Ribeiro Sêco é uma fábrica que protege a cultura secular da cana doce como património intemporal da Madeira.


Mel-de-Cana

Cana-de-açúcar  Engenhos Sumo da Cana - Guarapa  Clarificadores Filtração  Mel-de-cana
O mel-de-cana que adorna a mesa dos madeirenses é o culminar de um processo que se inicia com a recolha da cana-de-açúcar. Já na fábrica, as canas são introduzidas em dois moinhos conhecidos por engenhos, dos quais é extraído o sumo de cana, designado por guarapa. Esta é depois canalizada para uma primeira filtração, segue a cozedura nos clarificadores e depois uma nova filtração que garante um extremo rigor no processo de aprimoramento do produto.

Na fase seguinte, a guarapa entra nas evaporadoras para continuar o processo de cozedura e evaporação da água ainda existente. Na fase final, uma nova cozedura e a última filtração que antecede a introdução do xarope na caldeira de vácuo. Falta então o último passo, já mel-de-cana é passado para um reservatório onde repousa e arrefece naturalmente.

O mel-de-cana é muito mais do que uma testemunha da história, é um produto vivo, moderno, em constante adaptação cuja produção é uma verdadeira arte.

Distribuidora Oficial

A MELBOM – Comércio de Produtos Alimentares, Lda. é a distribuidora oficial dos produtos de marca Fábrica Mel-de-Cana Ribeiro Sêco. Está sediada na Fábrica Mel-de-Cana Ribeiro Sêco e vai ajudá-lo a adquirir o mel-de-cana Ribeiro Sêco, bem como as broas e os bolos de mel-de-cana.

15 abril 2017

Participação no Capítulo da Confrérie "Les Amis d'Ammerschwihr et du Kaefferkopt"


A Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronómica da Madeira confirma a sua presença em França nos dias 16 e 17 de Junho, na Região de Alsácia, onde irá participar no Capítulo da Confrérie "Les Amis d'Ammerschwihr et du Kaefferkopt", que se realiza na localidade de Ammerschwihr, Região Administrativa de Alsácia e departamento do Alto Reno.

No século XVI na região de Alsácia, no dia 26 de Dezembro de 1561, foi criada a "Confrérie de Saint-Etienne d`Alsace" com os propósitos da defesa da produção e comercialização dos vinhos da região da Alsácia. Esta confraria, uma das mais antigas de França e considerada a primeira confraria da época moderna do movimento confrádico internacional, manteve uma próspera atividade até o ano de 1848, em que deixou de estar activa. Em 1947 um grupo de produtores e amantes dos vinhos da região de Alsácia respeitando os princípios de 1561 reativaram a confraria, mantendo-se esta em plena actividade. 
Encontra-se a celebrar com várias actividades neste mês de Abril de 2017 os seus 70 anos após a reativação.

Estreito de Câmara de Lobos, 15 de Abril de 2017.

10 abril 2017

Projecto vitivinícola junta Madera, Borgonha e Canárias

Três investigadores da Universidade da Madeira integram este projecto europeu, inserido no programa 'Erasmus+'.

Fonte: Diário de Notícias da Madeira, edição impressa de 10 de Abril de 2017


09 abril 2017

Crescimento do sector da cana sacarina depende do escoamento

Secretário regional da Agricultura e Pescas acredita que exportação será uma mais-valia. Hoje termina a XII Feira Regional dedicada à matéria-prima e seus derivados. 


A XII Feira Regional da Cana-de-Açúcar e seus derivados, iniciativa da Casa do Povo da Ponta de Sol, com o apoio da Secretaria Regional de Agricultura e Pescas, termina hoje depois de dois dias de muita animação e promoção da matéria-prima.
Em declarações hoje, aquando da visita ao evento que decorre ainda por esta hora nos Canhas, o governante Humberto Vasconcelos salientou, no entanto, que a produção deve ser idêntica ao ano anterior, cerca de 10.500 toneladas, referindo uma reunião com o sector “para que o escoamento fosse garantido”, pelo que, “em princípio, não vai haver problemas” nesse aspecto e dentro dessas quantidades.
O governante com a tutela da agricultura acredita que também deve manter-se o preço de 27 cêntimos por quilograma, dos quais 16 cêntimos são pagos através de fundos comunitários (POSEI) e 11 cêntimos pagos pelo sector produtivo, anunciando ainda a antecipação da “linha de crédito para que os empresários consigam fazer os pagamentos em Julho a todos os produtores, quando em 2016 foi em Setembro”. Um ano depois, como é habitual, será pago a parte que compete aos fundos comunitários.
Em conclusão, Humberto Vasconcelos destaca o acompanhamento dos técnicos para a melhoria da qualidade, uma preocupação constante do Governo para que o sector continue a crescer e os empresários possam escoar os seus produtos, além da criação de um selo de qualidade da Poncha com Rum da Madeira, que em breve será introduzido no mercado. A exportação poderá ser um caminho para o crescimento, mas o governante lembra que é preciso reduzir o imposto especial sobre o consumo a nível nacional, trabalho que está a ser feito para alterar a directiva comunitária. 
9 de Abril de 2017

Produção de cana-de-açúcar na Madeira registou aumento de 22,5% em 2016


A produção de cana-de-açúcar na Madeira em 2016 foi de 10.812 toneladas, mais 22,5 % do que em 2015, um valor considerado “excecional”, tendo em conta que a área de cultivo cresceu apenas 0,6 %, situando-se nos 172 hectares.
Os dados foram divulgados pela Direção Regional da Agricultura no âmbito da XII Feira Regional da Cana-de-Açúcar e seus derivados, que decorre este fim-de-semana na freguesia dos Canhas, concelho da Ponta do Sol (zona oeste da ilha), onde se situam as maiores plantações.
O número de produtores que se dedica a este cultivo é de 1.279, sendo que a produção de mel de cana em 2016, oriunda de três engenhos, foi de 194 toneladas, menos duas toneladas do que a verificada em 2015, mas superior em 15,5 % à registada em 2014.
Já a produção de Rum da Madeira, proveniente de cinco engenhos, foi de 654.634 litros, mais 18,8 % do que a registada em 2015 (555.062 litros).
A Direção Regional da Agricultura informa, por outro lado, que a expectativa em relação à campanha de 2017 é que a produção de cana-de-açúcar se mantenha ao nível da de 2016, sendo que o subsídio aos agricultores vai também manter-se em 0,27 Euro/kg.
O Governo Regional vai também continuar a apoiar a agroindústria com uma linha de crédito, por forma a antecipar a ajuda comunitária (POSEI-RAM) que só é paga no final de 2017, no valor de 0,16 Euro/kg de cana-de-açúcar transformada.
A XII Feira Regional da Cana-de-Açúcar e seus derivados é uma iniciativa da Casa do Povo da Ponta de Sol, com o apoio da Secretaria Regional de Agricultura e Pescas.

9 de Abril de 2017

08 abril 2017

Congratulação pela ideia da fundação da Confraria Gastronómica de Santiago



A Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronómica da Madeira congratula-se pela ideia da fundação da Confraria Gastronómica de Santiago, com sede no Município de S.Domingos, Cabo Verde, e com a realização do IX Capítulo da Confraria do Grogue de Santo Antão da qual a confraria madeirense ajudou a criar com a deslocação dos seus confrades a Cabo Verde em 2005, 2007 e 2009. A AMC/CGM continua dando o seu apoio à Confraria de Santo Antão com a sua presença nos Capítulos que a Confraria do Grogue tem realizado. 

Clique aqui para ver o vídeo "IX Grande Capítulo da Confraria do Grogue de Santo Antão celebra 9 anos de sua criação"


06 abril 2017

AMC/CGM: O Confrade




Mais informações:
Alcides Nóbrega (Presidente) - +351 965014491
Olga Mendes (Vice-Presidente) - +351 924030562
Márcio Ribeiro (Secretário-geral) - +351 963129118

e-mail: confrariagastronomia@gmail.com 

Contagem decrescente para o XVII Capítulo da AMC/CGM


Cara confrade,
Caro confrade,

De hoje a 22 dias (28, 29 e 30 Abril e 1 de Maio de 2017) vamos realizar o nosso XVII Capítulo na Região Autónoma da MadeiraEstão todos convidados a participar!

Venham desfrutar das belezas da Madeira a par com a sua genuína gastronomia. 

Agradecemos que informe:
- o local de estadia;
- data de chegada e de regresso;
- n.º de participantes e em que dias irão participar;
- contactos de telefone e email;

E que nos envie a ficha de inscrição enviada em anexo preenchida.


XVII Grande Capítulo
Academia Madeirense das Carnes
Confraria Gastronómica da Madeira
Região Autónoma da Madeira
– 28, 29, 30 de Abril e 1 de Maio de 2017 -

(programa)
                                                                                 
28 Abril (sexta-feira)
18:00H – Encontro das confrarias na Praça do Município, concelho do Funchal.  
18:15H – Tour de autocarro para recolher os confrades nos diferentes hotéis.
                com destino ao concelho de São Vicente.
19:30H – Receção pelo presidente do município de São Vicente com beberete.
20:30H – Jantar de Boas-Vindas em São Vicente.
23:00H – Regresso ao Funchal.

29 Abril, (Sábado)*
09:00H – Encontro das confrarias na Praça do Município,Concelho do Funchal.
09:15H - Receção na Câmara Municipal do Funchal pelo presidente do municipio, 
             seguida de visita guiada ao Mercado dos Lavradores(inclui beberete).
11:00H – Tour de autocarro até ao concelho do Porto Moniz.
12:00H – Receção pelo presidente do município do Porto Moniz com beberete.
14:00H – Almoço no concelho do Porto Moniz.
17:30H – Regresso ao Funchal.
30 Abril, (Domingo)*
  9:00H – Tour de autocarro para recolher os confrades nos diferentes hotéis
                com destino ao concelho da Calheta.
10:00H – Missa na igreja do Espírito Santo (matriz do concelho da Calheta)
11:00H – Receção pelo presidente do município da Calheta com beberete
                no Engenho da Calheta.
12:30H – Cerimónia do XVII Grande Capítulo – auditório na Calheta
14:00H – Almoço Confrádico no Savoy Saccharum Resort & Spa

 Maio, (Segunda-feira - traje livre)
09:00H – Tour de autocarro para recolher os confrades nos diferentes hotéis.
                com destino ao concelho de Câmara de Lobos.
10:00H – Receção pelo presidente do município de Câmara de Lobos com beberete.
12:00H – Visita ao miradouro do “Cabo Girão”.
13:00H – Visita guiada a Fajã dos Padres seguida de almoço.
17:30H – Regresso ao Funchal.

* (faça o favor de levar o traje de confrade)

Valor por participante: 150,00 €
Este valor inclui o transporte de autocarro as diferentes atividades, as refeições e a viagem de teleférico de acesso a Fajã dos Padres.

Mais informações:
Alcides Nóbrega - (Presidente) - +351 965014491
Olga Mendes - (Vice - Presidente) - +351 924030562
Márcio Ribeiro - (Secretário geral) -  +351 963129118

01 abril 2017

AMC/CGM na IV Festa da Matança do Porco em Marco de Canavezes


A Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronomica da Madeira participou na IV Festa da Matança do Porco, organizado pela "Confraria do Presunto e da Cebola do Vale de Sousa", que se realizou a 1 de Abril em Marco de Canaveses.

Estreito de Câmara de Lobos, 1 de Abril de 2017

















Com tecnologia do Blogger.

 

© 2013 Academia Madeirense das Carnes - Confraria Gastronómica da Madeira. All rights resevered. Designed by Templateism

Back To Top