28 dezembro 2018

Initium Operum Fraternitatis MMXIX


Crónica anual da exclusiva responsabilidade de Gregório Freitas de antevisão do ano novo.


2019 será um ano de máxima importância para Confraria Enogastronómica da Madeira, a começar pelo desafio de afirmação e consolidação do seu novo objeto de acção e sua nova denominação. Para tal feito, sei que têm no seu planeamento a realização de novos eventos no espaço nacional e até no espaço europeu, dos quais estou certo que, em muito, irão contribuir para a defesa, divulgação e promoção da herança cultural gastronómica e báquica da Região Autónoma da Madeira e por consequente da Região da Macaronésia. Um bem haja pela ousadia!

Cá, para a Região, eu considero, tal como fiz em anteriores direções desta irmandade, a premência da criação de uma "Direção Regional da Gastronomia e do Vinhos", pois denoto uma certa confusão no meio empresarial no que toca ao conhecimento e preservação da herança cultural enogastronómica da Madeira. Vê-se que há poncha de todos os feitios (mais doce, com gelo, com sabor a erva, etc, etc...) desvirtuando desta forma a sua essência e por outro lado sendo deixado no esquecimento marcas identitárias da nossa Região, como a poncha de mel-de-cana. Será que alguém se lembra desta bebida? Será que seria uma mais valia reabilitá-la, introduzindo na oferta, preservando esta memória enogastronómica da Região e, em simultâneo, potenciando o consumo de dois produtos de excelência providos do cultivo da cana sacarina? É este e outro trabalhos similares que poderia ser desenvolvido pela dita Direção.

No espaço nacional congratulo-me com o regresso da Confraria Gastronómica do Alentejo ao movimento confrádico nacional e, em particular, a nova direção da Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas, empossada este mês. Faço, desde já, votos de bom trabalho quer para a Confraria, quer para a Federação! No entanto, conhecendo a maneira de estar e de ser da presidente da Federação, senhora Olga Cavaleiro, não há razão para conceder um estado de graça a esta Direção pois estou convencido que será mais do mesmo que foi nestes últimos 6 anos, caracterizados por pura inércia e alguns desfiles na passerelle. Sendo assim, desde já, provoco a Direção da Confraria Enogastronómica da Madeira para que estude a apresentação em 2021 de uma candidatura às eleições dos Órgãos Sociais da FPCG

De regresso à Região, é com agrado que constato que há uma crescente ou mesmo uma plena recuperação durante a "Festa" do acto cultural da "Função da Morte do Porco" e, em simultâneo, congratulo-me que a Confraria Enogastronómica da Madeira tenha contribuído de forma tão ativa para a preservação deste vivência cultural do povo da Região Autónoma da Madeira.

Ainda para 2019, faço votos que o Governo Regional da Madeira manifeste o interesse na apresentação de uma candidatura a "Região Europeia de Gastronomia". Estou certo que a Região Autónoma da Madeira e a Confraria Enogastronómica da Madeira estão preparadas para a realização deste desafio.

Este artigo de opinião é da inteira responsabilidade de Gregório J.S.Freitas.

Estreito de Câmara de Lobos, 1 de Janeiro de 2019. 

19 dezembro 2018

"Alimentación en los navíos en los siglos XVI-XVII"


 

Devido a um bom relacionamento existente entre a Confraria Enogastronómica da Madeira e a Cofradia del Colesterol Buen - Avilés, das Astúrias, e acreditando de que os marinheiros portugueses vivessem a mesma realidade na época relatada, colocamos neste site um artigo publicado na revista "HDL" da Cofradia del Colesterol.

Alimentación en los navíos en los siglos XVI-XVII
Román Antonio Álvarez González


La dieta y alimentación de los marineros, que formaban la tripulación y/o pasajeros de los navíos que viajaban a América desde la península durante los siglos XVI y XVII tenía que superar un primer paso que consistía en la organización de la compra y almacenamiento de los mismos y su conservación a lo largo del viaje. La comida era difícil de conservar por la humedad, el calor y las plagas (ratas, cucarachas y demás insectos). La preparación tampoco era sencilla, pero también era esencial establecer unas raciones alimentarias adecuadas para que los víveres y el agua durasen un poco más de las jornadas que estaban previstas para el viaje. El despensero era el encargado de repartir las raciones alimenticias y el alguacil el que se encargaba de custodiar y distribuir las de agua.
La peor carestía vital era la del agua, por lo que se era extremadamente cuidadoso en su racionamiento. El agua que había habitualmente en las naves era turbia, hedionda, caliente y cenagosa.
Una solución era hervirla, pero había que comprarse una olla y «cuidar de tener agua» y de que no la robasen. Se corrompía por no estar bien envasada, lo que provocaba un sinfín de enfermedades. Normalmente se repartían entre uno y dos litros de agua por persona y día pero, si el viento cesaba o se producía alguna avería, la ración de agua se podía reducir drásticamente. Cuando ocasionalmente se producían robos o fraudes en las raciones, el delito se castigaba duramente, ya que el egoísmo de unos pocos ponía en
peligro la supervivencia del resto.
Los desequilibrios en la dieta se producían, más que por insuficiencia calórica, por desequilibrio nutricional, sobre todo cuando el viaje se prolongaba más de lo previsto.
La comida o almuerzo, al mediodía, era la ingesta más importante y la más calórica, y solía servirse caliente, siempre que las condiciones atmosféricas y estratégicas no lo impidieran y hubiera leña o carbón. El desayuno se comía frío y la cena se realizaba a la luz de un candil, aunque en ocasiones se tuviera que comer a oscuras.
Los ofi ciales, a veces, tenían pequeños privilegios como un vino de mejor calidad, bizcocho blanco o bonito en vez de atún. Pero, cuando el viaje se alargaba y los alimentos y el agua escaseaban compartían con los demás pasajeros los rigores del hambre y la sed.
Según Diego García de Palacio, marino y científi co español de origen santanderino, que vivió en el siglo XVI y que viajó en numerosas ocasiones a las Indias, esta era la ración de
comida que se servía en una nao que se dirigía a Indias:

«[...] se ha de almorzar con un poco de bizcocho, algunos dientes de ajo, sendas sardinas o queso, sendas veces de vino en pie, a toda la gente, y solo los domingos y jue-
ves les da carne, y los demás días de la semana pescado y legumbres: puesta pues una mesa en el combes del navío desde popa a proa, donde toda la gente quepa, se han asen-
tar por las bandas, como se dijo en el capítulo del contramaestre, y de cuatro en cuatro se ha de poner su montón de bizcocho y cuatro libras de carne, y siendo en la mar se dan
garbanzos o habas, y si en tierra dan berzas y caldo y a cenar la mitad y sus tres veces de vino a cada comida y el día de pescado, si se da sardinas, se dan a cada uno cuatro: por
manera que entre cuatro que comen en un servicio se ponen 16 sardinas con su aceite y vinagre, y si se da bacalao, lizas o pargos con su olla de habas y garbanzos. Y a cenar se les
da el servicio de solo el pescado, bizcocho, aceite y vinagre, y su bebida [...]»

En los galeones de Indias parece que siempre se sirvió la comida en común hasta el siglo XVII, evitando así el peligro de incendio en los buques, por lo que el tiempo de espera debía
ser largo o la comida «fría» o cruda. El fogón se solía ubicar en la cubierta principal, casi siempre en la proa, pero había días en los que el viento impedía su uso, por lo que la comida era fría o cruda.
Según Esteban Mira Ceballos en su trabajo «La vida y la muerte a bordo de un navío del siglo XVI» la dieta tenía dos alimentos claves:

El bizcocho, unas tortas duras de harina de trigo, doblemente cocidas y sin levadura, que duraban largo tiempo, por lo que se convirtieron en un alimento básico dentro de los
buques. Ahora bien, a veces estaba tan duro que solo los más jóvenes eran capaces de hincarle el diente.
El vino, cuya ración por tripulante y día, en condiciones normales, ascendía a un litro. La falta de vino podía crear gran malestar en la tripulación, parece ser que era más importante
el vino que las propias pagas de los tripulantes. También se repartían raciones mucho más escasas de vinagre (tres litros al mes) y de aceite de oliva (un litro al mes).

Los alimentos frescos, como verduras y frutas, se consumían los primeros días. Después, los alimentos frescos y la fruta desaparecían durante semanas de la dieta y, si la travesía se alargaba en exceso, comenzaban a aparecer los primeros síntomas del escorbuto, una enfermedad típica de los hombres de la mar, provocada por la carencia de vitamina C que era combatida con la ingesta de limones. Solían comer carne al menos dos veces en semana. La carne era normalmente de cerdo y se denominaba genéricamente tocino, aunque incluía la canal completa. A veces, se entregaba fresco si se había sacrifi cado un animal, pero lo más frecuente es que estuviese conservado en salazón o se hubiese secado, en cuyo caso se llamaba cecina. Antes de consumirse, la carne se lavaba en el mar durante medio día para eliminar el exceso de sal. Los otros cinco días de la semana se consumían habas, arroz y pescado. Esto, junto a gachas o sopasde cereales o legumbres con manteca y unos buenos litros de alcohol, eran la dieta esencial del marinero

Pero el queso también era un componente esencial de las comidas a bordo, por dos motivos: su buena conservación y porqueno se necesitaba cocinar.
Excepcionalmente se repartían frutos secos, como almendras, castañas pilongas o pasas.

Fray Tomás de la Torre, en su «Diario de viaje de Salamanca a Ciudad Real de Chiapa», dice lo siguiente de la dieta a bordo de los galeones:

«En la comida se padecía trabajo porque comúnmente era muy poca; creo que era buena parte de la causa poderse allí aderezar mal para muchos; un poco de tocino nos daban por las mañanas y al mediodía un poco de cecina cocida y un poco de queso, lo mismo a la noche; mucho menos era cada comida que un par de huevos».

No obstante, en ocasiones se duplicaban las raciones, sobre todo cuando había riesgo evidente de entrar en combate. Según Juan Escalante de Mendoza, no había mejor forma de
levantar el ánimo a la tripulación que llenándoles la barriga y sirviendo ración doble de vino para aumentar su valentía y abnegación.

Fonte: Revista HDL

17 dezembro 2018

"Cozido com Todos" dominou o programa televisivo "Prós e Contras"


Humm...! Cheira, tem sabor e desperta os sentidos.
A gastronomia portuguesa une o país e é um fator de coesão no mundo.
Os pergaminhos dos novos Chefs e a qualidade das confrarias de sempre dominaram o maior debate da televisão portuguesa. O programa televisivo da RTP, "Prós e Contras", abordou esta segunda-feira o "Cozido com Todos". 

Reveja aqui: 




14 dezembro 2018

Gala das Confrarias Gastronómicas vai premiar quem mais se destacou na promoção dos territórios

No próximo dia 15 de Dezembro, irá realizar-se a terceira edição da Gala da Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas (FPCG), em Condeixa-a-Nova.

Este evento, que acontece de três em anos, no final dos mandatos dos seus corpos sociais, tem como propósito valorizar e reconhecer o trabalho desenvolvido pelas confrarias ao longo de três anos de trabalho.


Assim, além de se reconhecer o exercício de boas práticas na valorização e dignificação da Gastronomia Portuguesa, também se reconhece o esforço das confrarias naquilo que é a força do voluntariado que as suporta. Simultaneamente, é, sobretudo, um momento de celebração do trabalho desenvolvido entre as Confrarias e a FPCG, e que serve para agradecer o trabalho efetuado por todos os confrades durante esse período.

A Gala, que terá lugar na Pousada de Condeixa, será marcada por três momentos diversos e contará com a presença do Secretário de Estado das Florestas, Miguel Freitas, e do presidente da Câmara de Condeixa-a-Nova, Nuno Moita da Costa, entre outras individualidades.

O evento começará com a cerimónia de tomada de posse dos novos corpos sociais para o triénio 2019-2021. Recorde-se que os novos dirigentes foram eleitos a 30 de novembro, mantendo-se como presidente do Conselho Diretivo a Confraria da Doçaria Conventual de Tentúgal, liderada por Olga Cavaleiro.

Após a tomada de posse, a Federação procederá à entrega da insígnia “Optimus Conviva” a Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal. “A Optimus Conviva é a mais alta distinção atribuída pela Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas. Decidimos atribuí-la ao Dr. Pedro Machado como forma de reconhecimento coletivo a um amigo muito próximo das confrarias e que tem conseguido, com o seu empenho, colocar a gastronomia portuguesa em palcos maiores, reconhecendo, sempre, o grande esforço que é feito pelas confrarias em prol do desenvolvimento local. Próximo do que singulariza o movimento das confrarias, através da instituição a que preside, o Dr. Pedro Machado tem procurado dar à FPCG suporte institucional e financeiro, levando-nos através dela a espaços fora do país”, explica Olga Cavaleiro.

O momento final do evento consistirá na atribuição do Prémio Boas Práticas para a Valorização da Gastronomia à confraria gastronómica que, nos últimos três anos, mais se destacou em prol da gastronomia tradicional portuguesa. “As confrarias gastronómicas são hoje muito mais do que associações que divulgam os seus produtos. São entidades multifacetadas, que defendem e promovem a gastronomia enquanto produto turístico e elemento de desenvolvimento do território, que valorizam a atividade agrícola e que incentivam a componente educacional. Este prémio é um estímulo para as confrarias”, sublinha Olga Cavaleiro.

Fonte: Notícias de Coimbra

13 dezembro 2018

Vai um Madeira para o Natal

Há vinhos Madeira feitos no século XIX que são ainda capazes de sobreviver em grande forma mais 100 anos.

Estes são vinhos eternos
Já se sabe que o Natal é época alta para o consumo do vinho do Porto. E ainda bem. Mas como o País é muito rico em matéria de vinhos doces, se calhar não seria má ideia variarmos um pouco. Ou, melhor ainda, juntar o habitual Porto a um vinho Madeira. Isso é que era, até porque o serão seria bem mais divertido à mesa. Depois de alguns anos de ocaso, os vinhos Madeira regressaram em grande forma, em particular os vinhos feitos com as castas ditas nobres (Verdelho, Boal, Cercial e Terrantez), mas o problema é que, por razões misteriosas, continuamos a não ligar muito aos vinhos doces. Os espanhóis, por exemplo, estão empenhadíssimos em trazer para a ribalta o vinho Jerez (com a participação de chefes e personalidades de diferentes áreas criativas), mas nós, nada. Limitamo-nos a mandar os vinhos para as prateleiras e esperar que um ou outro estrangeiro se encante com uma garrafa datada. Ora, a entidade privada que mais faz pela promoção do vinho Madeira no continente é o Bar do Binho, em Sintra, que ainda recentemente promoveu o Madeira Wine Experience - uma prova com vinhos raríssimos, alguns criados na segunda metade do século XIX. Estes eventos são determinantes para a educação dos consumidores, visto que é a partir da prova de vinhos velhos que percebemos que a compra de vinhos Madeira é um exercício de inteligência e bom gosto. Bom gosto porque são deslumbrantes no nariz e na boca. E inteligência porque é um bom negócio. São vinhos que nunca se perdem. 

Um Quinado para os saudosistas
Houve um tempo em que se produzia uma coisa chamada vinho Quinado e que consistia em vinho do Porto com uma percentagem de quinina. 

Tais vinhos tinham como destino África e Brasil e serviam como bebida preventiva contra a malária. Passaram-se os tempos e as terapias contra a praga já não passam pela ingestão de bebidas alcoólicas, pelo que as empresas de Gaia deixaram de fabricá-lo. Sucede que, algumas, com stock nas caves, acham piada lançar volta e meia um destes vinhos que, convém notar, não se pode chamar vinho do Porto. É pura e simplesmente vinho Quinado. É o caso da Poças Junior que, este ano, está a celebrar 100 anos vida (coisa rara numa empresa familiar portuguesa no negócio do vinho do Porto). São só 150 garrafas e têm como destino agradar quem tinha por hábito beber noutros tempos um cálice de Quinado. Custa 165 €.

Bem com toda a doçaria
Toda, se calhar é um exagero mas seguramente que um vinho Madeira vai bem com a maioria das sobremesas de Natal, tradicionais ou mais criativas. As notas torradas e caramelizadas do vinho ficam muito bem com tartes de frutos secos, por exemplo. Claro que, para os puristas, é mais ou menos como a história dos charutos. Apreciam-se sozinhos. É capaz de ser uma boa teoria.

10 dezembro 2018

Agendada presença em Santa Maria Feira em Janeiro


A Confraria Enogastronómica da Madeira confirmou a sua participação no Capítulo da "Confraria da Fogaça da Feira", que se irá realizar a 12 de Janeiro de 2019, na cidade de Santa Maria da Feira, Aveiro.

Estreito de Câmara de Lobos, 10 de Dezembro de 2018.

A nossa Festa


Artigo de Opinião por Isabel Cristina Camacho.

Muitas são as tradições que vivemos intensamente nesta quadra natalícia,é a época em que o Curral das Freiras se reveste de alegria, de luzes e de cor, transformando-se, este lindo Vale, numa autêntica Aldeia Natal!

A matança do Porco, é, como dizem os nossos mais velhinhos, o primeiro dia da Festa”. De manhã, muito cedinho, inicia-se a azáfama da preparação. “Apastora-se” a bacia para o sangue, que dará um belo petisco, acende-se a lareira e uma panela de água a ferver é essencial, depois é a chegada dos homens e “começa a função”.

Porco “pendurado, vinho deitado” e siga para a ribeira lavar o “debulho”, que é como quem diz, as tripas, que em verdade, preparadas à nossa maneira, são melhores que à moda do Porto! A salga e os torresmos, ficam para o dia seguinte, e vão dois dias de saberes e sabores, genuinamente conservados e passados de geração em geração.

Que me perdoem aqueles a quem possa ferir a sensibilidade, com o relato desta “barbárie”, segundo alguns entendidos, mas os porcos são tratados (e muito bem), com a finalidade de nos alimentarmos, morrem para que mantenhamos viva a cultura e a tradição, que tanto caracteriza o nosso Natal, o nosso povo. Mas estas são contas de outros rosários e continuemos a nossa Festa!

As missas do Parto, sobejamente conhecidas, são o despertar a cada madrugada com uma explosão de alegria, os cânticos, a multidão, antecipam os festejos do nascimento do Senhor. A ginjinha a aguardente com mel e a sandes de vinha d’alhos, o convívio e as cantorias enchem o coração de locais e visitantes.


“Dia de Festa, cada um na sua casa”, diz quem sabe. É dia da espetada de carne de vinha d’alhos, que é também cozida para o almoço com a batata, pimpinela e semilhas novas.

O Mega presépio, levado a cabo pela Associação “O refúgio da Freira” é, desde há muitos anos, uma atração da nossa terra e todos os anos surpreende-nos com o retrato das tradições mais remotas, artisticamente expostas aos milhares de visitantes.

Na Consoada, todos os caminhos vão dar à nossa igreja. A Missa do Galo, os Anjos, os reis magos, as romagens de todos os sítios, a “Pensação do Menino” quase única na Madeira, fazem desta Noite de Natal, especial, diria mesmo, mágica!

“Dia de Festa, cada um na sua casa”, diz quem sabe. É dia da espetada de carne de vinha d’alhos, que é também cozida para o almoço com a batata pimpinela e semilhas novas. Não falta a oração por vivos e defuntos, a lágrima que cai, teimosa, é de saudades dos que já partiram e de emoção pelo momento de fraternidade, em que ainda se pede a Bênção aos “superiores”, pai, mãe e avós.

Na 1ª Oitava, começa a ronda dos convívios nas casas dos familiares, almoços, jantares e…Bisca! Até aos Reis, Santo Amaro e às oitavas todas, é sempre Natal.

A nossa Festa é tudo isto! Muita alegria, muita família, muita tradição.

Vive-se o Natal de coração cheio, neste cantinho que é o coração da Madeira.

Santa Festa para todos!

09 dezembro 2018

Tradição cumpriu-se na Vila do Estreito de Câmara de Lobos


A Confraria Enogastronómica da Madeira realizou no dia 8 de Dezembro a "Função da Morte do Porco", sendo este dia considerado como o 1.º dia da "Festa", termo usado para denominar a época natalícia na Região Autónoma da Madeira.

Este evento foi realizado na Vila do Estreito de Câmara de Lobos, localidade com fortes tradições neste acto cultural e contou a simpática presença do Sr. Dr.º Humberto Vasconcelos, Secretário Regional da Agricultura e Pescas.

Estreito de Câmara de Lobos, 9 de Dezembro de 2018.








Canal de viagens do YouTube mostra paisagens da Madeira em série de 5 vídeos com drone


As férias da blogger e youtuber alemã, Vanessa Sander, na Madeira foram transformadas numa fantástica série de cinco vídeos que exibe as mais belas paisagens da Madeira captadas por drone.

O último vídeo da série foi publicado, hoje (9 de Dezembro), no canal de YouTube ‘Leisure&Travel’ e intitula-se ‘Mountains by the Ocean South Coast’ (Montanhas à beira mar na Costa Sul).

Os anteriores são: ‘Funchal Capital City South Coast’ (Capital Funchal na Costa Sul), ‘Viewpoints & the sunny South Coast’ (Miradouros e a soalheira Costa Sul), ‘The rough North Coast’ (Agreste Costa Norte) e ‘Ponta de Sao Lorenco’.

Fonte: DN-Madeira





07 dezembro 2018

Bastardo: O Legítimo e o Ilegítimo (parte 2) - Pela Enófila

Artigo de opinião por Filipa Aveiro.

Na relação existente entre os solos e o clima, há uma casta de uva que amadurece mais cedo, gerada fora desta relação magistral e concebida de forma perfeita pelo universo. Nos vinhos de mesa, este rebento ilegítimo, geralmente rejeitado pela maioria dos viticultores, acabou por ser bem-sucedido em monocasta. Desde sempre, era apenas utilizada para complementar outros vinhos, atribuindo-lhes aromas, tempero e propriedade.

Encontramos esta casta enigmática em algumas regiões, para além da Madeira. De bago pequeno e película que se desfaz facilmente, necessita de um trabalho delicado e criterioso do viticultor e do enólogo. Alguns destes vinhos têm vindo a surpreender os consumidores e a ganhar mercado de forma gradual. Temos os exemplos do Bastardo da Península de Setúbal da Casa Horácio Simões, no Douro, da Niepoort ou Conceito, e em Trás-os-Montes, na Quinta do Arcossó, tal como as apostas recentes de enólogos bem-sucedidos e que começam a estudar melhor esta casta, casos como o de Paulo Nunes, na Costa e Boal, ou de Luís Seabra, na Quinta Valle de Passos.

Na Madeira, podemos encontrar o vinho de mesa Bastardo, de 2014, da Quinta de Arcossó. Uma quinta com tradições vitícolas da ocupação pré-romana, que engrandece a simbiose entre o homem e a natureza que o circunda, abdicando do trabalho mecânico, em prol do trabalho artesanal e com muita pouca intervenção. Um casal amigo, chegou a visitá-la. Ficou rendido à excelente aula de geográfica que receberam pelo Sr. Amílcar, mentor do projeto, que lhes explanou os cuidados que tem na relação da posição da vinha com os solos, inseridas nas montanhas que as rodeiam.

Ao debruçar a garrafa de Bastardo sobre o copo, irá deparar-se com uma cor de vinho tinto, um pouco mais esbatida que o habitual, com aromas agradáveis a sublinhar amoras, cerejas e com uma leve nuance a madeira. Na boca é suave, fresco e elegante, com taninos densos, deixando um final longo. Recomendo que o sirva fresco, após uma ida ao frigorífico por uma hora e, que o acompanhe com carnes brancas ou com gastronomia sem muita especiaria.

O rótulo do Bastardo, da Quinta do Arcossó, revela-se misterioso, poético e com um qb de atrevimento, entoado pelo vermelho e preto, numa garrafa borgonhesa escura e baça que não revela o seu interior. O nome da quinta está descrito como se de uma sopa de letras se tratasse, onde as palavras são individualizadas apenas por um apontamento cromático, tendo o nome da casta um registo discreto, mas em primeiro plano na leitura geral do rótulo.

Vinho um pouco misterioso... ao prová-lo descobrirá um registo diferente, que o irá surpreender e que o conduzirá a apreciar, de forma mais atenta, os vinhos produzidos com apenas uma casta, para que vá testando os seus sentidos e traçando as suas escolhas individuais.

Boas provas.


Fonte: JM-Madeira

04 dezembro 2018

Munus mortem porcus MM XVIII


Crónica anual da exclusiva responsabilidade de Gregório Freitas.


O ano de 2018 revelou-se muito positivo para a Academia Madeirense das Carnes / Confraria Gastronómica da Madeira que assinalou a passagem para idade adulta com um excelente Grande Capítulo, o décimo oitavo e com o aprofundar da sua missão, reestruturando-a de forma a incluir a cultura báquica madeirense, que a bem da verdade, era já uma prática na ação da confraria que agora vê-se refletida nos seus estatutos e na sua nova denominação – C. E. M. – Confraria Enogastronómica da Madeira.

A par desta transformação, há que destacar a aprovação com louvor das contas do ano transato e o estabelecimento de novas relações além-fronteiras até a data inexistentes, como é exemplo da presença pela primeira vez em eventos de irmandades na Finlândia, na Alemanha, na Holanda e a confirmação da deslocação à Córsega no início de 2019.

Estas dinâmicas revelam o bom desempenho da actual direção e dos seus confrades: em defender, valorizar e divulgar a cultura gastronómica e agora também báquica regional com o fim de afirmar a Região Autónoma da Madeira como uma referência mundial também na enogastronomia, levando o seu nome por esse mundo além, conforme preconizado desde a fundação desta irmandade.

É com regozijo que vejo assunção do compromisso por parte do Governo Regional da Madeira e do Município de Câmara de Lobos para criação do Museu do Vinho e da Vinha na Vila do Estreito de Câmara de Lobos, um facto importante para a nossa Confraria, pois desde há muito esta reivindicava esse espaço museológico na respectiva Vila embora com um âmbito mais abrangente ou seja dedicado ao vinho e a gastronomia atlântica da Região Autónoma da Madeira.

O ano de 2018 está no seu términus e a actividade da F. P. C. G. - Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas, nada trouxe de novo como era previsível, foi mais um "Ano Olga Cavaleiro”. A F. P. C. G. perdeu a oportunidade de se afirmar perante o governo da República como um importante parceiro na defesa da Herança Cultural Gastronómica Atlântica e Mediterrânica que identifica a maneira de estar e de ser do nosso povo.

O prémio que a Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas recebeu da Associação dos Empresários da Restauração e Hotelaria vale o que vale, para mim vale NADA! Para todos nós, o importante seria, se a FPCG tivesse peso ou capacidade reconhecida, que ainda não tem, para entregar a respectiva associação empresarial um prémio se estes promovessem ou sensibilizassem a defesa da herança cultural gastronómica de Portugal nos seus restaurantes ou hotéis, isso sim, seria de VALOR!

O movimento confradico internacional embora com muita dificuldade continua a manifestar a sua presença em vários países, em termos gastronómicos, a CEUCO – Conselho Europeu de Confrarias segue manietada pela ação da sua direção, em particular pela triste figurinha do seu presidente, carlos martins cosme. Em termos báquicos, a F. I. C. B. - Federação Internacional das Confrarias Báquicas esta em crescendo, realizando no próximo ano o primeiro Concurso Mundial de Provas de Vinhos dos seus membros, na Finlândia, entre 6 e 9 de Junho. Um desafio que a C. E. M. – Confraria Enogastronómica da Madeira pretende marcar presença com um ou mais dos nossos vinhos tranquilos.

Acabo este pequeno escrito da minha total responsabilidade, manifestando total apoio a direção da Confraria Enogastronómica da Madeira pelo novo passo dado com a aprovação dos novos estatutos e da sua nova denominação já defendida por mim na anterior Assembleia Geral que se realizou em 30 de Setembro de 2017.

Gregório J. Silva de Freitas.

02 dezembro 2018

Participação em 40 eventos gastronómicos e báquicos em 2018


A Confraria Enogastronómica da Madeira no ano de 2018 participou em 40 eventos gastronómicos ou báquicos realizados em Portugal Continental e em vários países da Europa.

1- Capítulo da Cofradia Amigos del Nabo de la Foz de Morcin - Espanha.
2- Capítulo da Congrega dei Radici e Fasiosi - Itália.
3- Capítulo da Confraria Saberes e Sabores de Portugal na Suíça Francofona - Suíça.
4- Encontro Nacional de Confrarias Gastronómicas em Bragança - Portugal.
5- Capítulo da Confraria do Butelo e das Casùlas -Portugal.
6- Capítulo da Confraria do Vinho de Lamas - Portugal.
7- Capítulo da Confrérie de Saint Romain en Bordelais et Pays Libournnais - França.
8- Capítulo da Confrérie du Pain d`Épices de Saint Grégoire de Nicopolis - França.
9- Capítulo da Confrérie des Tripaphes - França.
10- Capítulo da Confrérie Gastronomique du Val de Loire"Grand Ordre de Poelon - França.
11- Capítulo da Confraria da Pateira - Portugal.
12- Capítulo da Ordem dos Companheiros de São Vicente"Confrérie du Vin de Portugal " - Portugal.
13- Capítulo da Cofradia del Vino de la Ribeira del Duero - Espanha.
14- Capítulo da Confraria Gastronómica "Aromas e Sabores Gândareses" - Portugal.
15- Capítulo da Confrérie du Gruyére - Suíça.
16- Capítulo da Nederlands Genootschap van Wijnvrien - Holanda.
17- Capítulo da Confrérie du Biétrume et de la Blanche de Namur - Bélgica.
18- Capítulo da Confrérie des Chevaliers du Trou Normand (Germany) - Alemanha.
19- Capítulo da Confraria da Broa de Avintes - Portugal.
20- Capítulo da Confraria da Broa de Avanca - Portugal.
21- Capítulo del Serenisimo Albariño - Espanha.
22- Capítulo da Cofradia dos Viños del Condado de Tea e Espumosos - Espanha.
23- Capítulo da Ordre des Chevaliers du Bon Pain de la Suisse Latine/Feté du Blé et du Pain - Suíça.
24- Evento da Torni Ritarit Veljeskunta - Finlândia.
25- Capítulo da Viiniretaren Veljeskunta - Finlândia.
26- Capítulo da Confraria do Melão Casca de Carvalho - Portugal.
27- Capítulo da Confraria das Papas de S.Miguel - Portugal.
28- Capítulo da Cofradia del Aguardiente de Orujo e del Viño de Liébiana - Espanha.
29- Capítulo da Real Confraria do Vinho Alvarinho - Portugal.
30- Capítulo da Confraria do Chícharo - Portugal.
31- Capítulo da Confrérie de la Deliciense Oie du Gay en Mangier de Visé - França.
32- Capítulo da Confrérie de L`Ordre de Saint Vincent de Jambes - Bélgica.
33- Capítulo da Confraria da Pedra - Portugal.
34- Capítulo da Confraria das Tripas à Moda do Porto - Portugal.
35- Capítulo da Accademia della Castagna Bianca di Mondovi - Itália.
36- "Bucho da Prova"Confraria do Bucho Raiano - Portugal.
37- Capítulo da Confraria Gastronómica do Alentejo - Portugal.
38- Capítulo da Confraria Gastronómica da Raça Arouquesa - Portugal.
39- Capítulo da Cofradia del Viño de Canarias - Espanha.
40- Confrérie du Grand Ordre du Trou Normamd, des Calvados, Cidres et Pommeau - Suíça.

Para além destas presenças onde a gastronomia, os vinhos da Madeira e o Destino Madeira são defendidos e promovidos a Confraria Enogastronómica da Madeira realizou 11 encontros em 2018 na Região Autónoma da Madeira.

Estreito de Câmara de Lobos, 30 de Novembro de 2018.

30 novembro 2018

Vinho Madeirense recebe medalha de bronze no concurso mais prestigiado do mundo


A primeira colheita do vinho branco Terras de Boaventura Colheita Familiar 2017, obteve uma medalha de bronze no maior e mais prestigiado concurso internacional de vinhos, o IWC International Wine Challenge, que se realizou em Londres, no presente mês, tendo os resultados sido divulgados ontem.

O concurso de prova cega junta vinhos de mais de 40 países, dos cinco continentes, onde a Madeira, a sua Costa Norte, e em especial as Terras de Boaventura, estiveram representados.

"Se este reconhecimento ao mais alto nível já o era e é tido há muitos anos para com os nossos excelentes vinhos licorosos, os Madeira, também agora o foi ao vinho de mesa, sob a nossa marca, Terra Bona, Terras de Boaventura. Gostaríamos igualmente de partilhar este reconhecimento com o nosso antecessor, que fez plantar as nossas vinhas há mais de vinte anos, a escolha da casta e localização; com o profissional que nos acompanha desde o início deste projecto e que muito nos tem ajudado e formado, promovendo-se uma viticultura ambientalmente sustentável; bem como com o IVBAM, com um especial agradecimento a toda a equipa da Adega de São Vicente, liderada pelo enólogo João Pedro Machado", afirmou Marco Jardim..

De acordo com os responsáveis, o vinho nasceu de um pequeno sonho a construir em terras de Boa Ventura. Conhecido pelo Sitio do Cardo, em alusão à flor, a inspiração foi a Laurissilva, os seus cheiros e sons, com o mar bem perto. "A semente foi a uva e com a casta Arnsburger, desenvolvemos um vinho frutado, leve e elegante".

Arnsburger é uma variedade branca. Foi criado em 1939 por Heinrich Birk (1898-1973) no Instituto de Criação de Uvas Geisenheim, com origem na casta Riesling. Recebeu o nome da Abadia de Arnsburg, uma ruína de uma abadia cisterciense em Wetterau, como uma homenagem à importância dos cistercienses na história do vinho alemão. Além da Alemanha, são conhecidas pequenas plantações na Madeira, na Itália e na Nova Zelândia. Arnsburger tem um frutado semelhante ao Riesling.

“Vinho cristalino de coloração cítrica. Aroma complexo, onde as notas de fruta tropical sobressaem, sobre um fundo floral. Na boca, o vinho mostra-se fresco, envolvente e com uma interessante mineralidade. Agradável persistência”. É desta forma que o enólogo João Pedro Machado descreve o vinho medalhado em tão prestigiado concurso.

Fonte: JM-Madeira.

26 novembro 2018

Presença agendada em Arouca a 1 de Dezembro

A Confraria Enogastronómica da Madeira confirmou a sua presença no Capítulo da Confraria Gastronómica da Raça Arouquesa, que se realiza no dia 1 de Dezembro, no Municipio de Arouca.

Estreito de Câmara de Lobos, 26 de Novembro de 2018.


24 novembro 2018

Academia Madeirense das Carnes passa a Confraria Enogastronómica da Madeira


A Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronómica da Madeira em Assembleia Geral realizada ontem, 23 de Novembro, aprovou a alteração dos seus estatutos e a sua nova denominação "Confraria Enogastronómica da Madeira".

Estreito de Câmara de Lobos, 24 de Novembro de 2018.

Adega e Melaria para produtores do Porto Santo


A construção da Adega e Melaria de Apoio aos Produtores do Porto Santo é um dos investimentos previstos no Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Região Autónoma da Madeira para 2019 (PIDDAR).

Esta infraestrutura visa apoiar os produtores locais e proporcionar um melhor armazenamento escoamento dos produtos. Espera-se que esta unidade leve a um aumento da produção de produtos agrícolas na Ilha.

Fonte: JM-Madeira

Presença no Cabido de Outono em Évora

A Confraria Enogastronómica da Madeira marcou presença no Cabido (Capítulo) de Outono da Confraria Gastronómica do Alentejo, que se realizou em Évora, no dia 24 de Novembro de 2018

Estreito de Câmara de Lobos, 24 de Novembro de 2018.














23 novembro 2018

Marque na agenda! (parte 2) - Pela Enófila


Artigo de Opinião por Filipa Aveiro.


As feiras de vinhos permitem-nos apurar os nossos sentidos de degustação.

Nesses eventos, temos a possibilidade de provar vinhos que, geralmente, não temos acesso e, ainda, de comparar aromas e sabores, experienciando as diferentes reações que nos causam ao nariz e à boca, descobrindo os que nos agradam mais, distinguindo-os por estilos, regiões, castas e anos.

Para além das provas vinhos, as feiras proporcionam-nos bons momentos entre amigos. Vinhos e amigos são ingredientes fantásticos para bons instantes de descontração, boa conversa e divertimento.

Por acreditar nesta receita, cheguei a marcar viagens com um grupo de amigos para irmos à Essência do Vinho e ao Simplesmente Vinho. São eventos com filosofias distintas, embora com o mesmo fim… dar a provar vinhos e divulgar distribuidores. A Essênciadecorre no Palácio da Bolsa, um lugar magnífico e cheio de glamour, num ambiente, que na minha opinião, está cada vez mais comercial. Já o Simplesmente, como o próprio nome indica, é um evento mais simples e com mais alma, seguindo o conceito de “vinhos diferentes e com uma dose saudável de loucura e poesia”1, onde os produtores e consumidores se reúnem em torno de barricas, proporcionando uma interação mais pessoal com cada produtor. Num ambiente engradecido pela presença de alguns restaurantes, de concertos e de obras de arte expostas nas paredes de pedra rústica, de um edifício do século XV, sendo ele o antigo Convento de Monique, com vista para o rio Douro… simplesmente divinal.

Na Madeira, as garrafeiras e distribuidoras de vinhos começaram a abrir as suas portas para dar a conhecer, ao público em geral, os seus produtos. O último que estive presente foi na Copo, num sábado à tarde, com a presença de alguns produtores regionais e nacionais que fazem jus ao seu reportório.

Nem sempre os vinhos mais caros são os melhores. A qualificação de um vinho é uma variável que depende do gosto individual de cada um de nós. Um bom vinho é aquele que nos dá a vontade de repetir a experiência, acompanhando-o, talvez, com uma refeição.

Dos que provei nesse dia, realço o ‘Regueiro’ trajadura/alvarinho. Um vinho branco de 2017, da região dos Vinhos Verdes, com aroma frutado ligeiro, muito agradável. Revelou-se ser um vinho equilibrado entre o álcool e a acidez, fresco na boca, com um final persistente e longo, mais seco que a edição anterior, excelente para acompanhar pratos de peixe grelhado ou mariscos, sem se sobrepor a estes sabores vindos do mar. A sua identidade visual é marcada por uma garrafa esguia e elegante, que se destaca nas prateleiras entre outras, guarnecida por um rótulo eclético, que transmite confiança e fidelidade ao consumidor, pela sua simplicidade e pela informação explícita pela patente da marca ‘Regueiro’, numa fonte cursiva um pouco elaborada e, pela designação das castas de fácil leitura, em caixa alta, no tom preto que se destaca do fundo pastel. O preto é uma cor desprovida de sentimento, mas confere nobreza e distinção, enquanto que o pastel é a estandarte da esfera íntima.

Já sabe, se quiser provar este ou outros vinhos e acompanhar as novidades que chegam ao mercado regional, esteja atento aos inúmeros eventos existentes e marque na sua agenda!

Fonte: JM-Madeira

19 novembro 2018

Relações de intercâmbio com Ordens alemães ficará enriquecida com presença em Outubro de 2019

A Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronómica da Madeira ao estabelecer em 2018 relações de amizade e de intercâmbio com duas Ordens da Alemanha, a saber a "Confrérie des Chevaliers du Trou Normand e.V" e a "Orden der Ritter vom Stern und der Freundschaft", possibilitará um maior relacionamento com outras Ordens da Alemanha. A AMC/CGM aceitou o convite para estar presente em Outubro de 2019 no Capítulo da Orden der Ritter vom Stern und der Freundschaft, que se realizará na cidade de Pforzheim, no sul da Alemanha.

Estreito de Câmara de Lobos, 19 de Novembro de 2018. 


‘Festa da Castanha da Serra’ atraiu muita gente

Apesar da ameaça de chuva, a ‘Festa da Castanha da Serra’ realizou-se, ontem, 18 de Novembro, no Chão dos Boieiros, nas serras da freguesia do Campanário. Foram muitos os locais e forasteiros que não quiseram perder esta festividade.

Fonte: DN-Madeira

18 novembro 2018

Academia Madeirense das Carnes esteve na Ilha de Tenerife

A Academia Madeirense das Carnes/Confraria Gastronómica da Madeira participou no Gran Capítulo da Confraria do Vinho de Canárias, realizado a 17 de Novembro na ilha de Tenerife.

Estreito de Câmara de Lobos, 18 de Novembro de 2018.





















































Na Imprensa:

José Alberto Díaz, Celso Albelo y Jesús Morales serán investidos cofrades de honorLa Opinión 15.11.2018 | 23:56

El casco histórico de La Laguna será el escenario que acogerá mañana la celebración del XXI Gran Capítulo de la Cofradía del Vino de Canarias. La actualmente denominada oficialmente Cofradía del Vino de Canarias nació en año 1997 en Tenerife junto a su denominación original de Cofradía del Vino de Tenerife. Esta ya emblemática asociación cultural, sin ánimo de lucro, nació por iniciativa de un grupo de personas, amantes del vino, convencidas de la necesidad imperiosa de fomentar, promocionar y difundir la cultura del vino canario y todo lo que ello significa.

En un principio la iniciativa fundacional se desarrolló en el ámbito de Tenerife, pero en poco tiempo se llegó a la conclusión de que el patrimonio enológico del resto del Archipiélago debía ser también fomentado, promocionado y difundido por igual. A partir de ese convencimiento y esa conclusión, se decidió ampliar el ámbito de actuación y se solicitó el registro de una denominación que recogiera esa realidad, pasando entonces a denominarse Cofradía del Vino de Canarias.

El programa de actos previstos dará comienzo a las 09:00 horas con una recepción en la Casa de los Capitanes; a las 10:00 horas tendrá lugar un desfile de la Cofradía e invitados hasta la Casa Consistorial donde habrá una recepción por parte de la Corporación municipal; a las 11:00 horas se celebrará una misa en la Catedral y a las 13:00 horas comenzará el acto protocolario en el Hotel Laguna Nivaria. A las 14:30 horas dará comienzo el almuerzo.
Com tecnologia do Blogger.

 

© 2013 Academia Madeirense das Carnes - Confraria Gastronómica da Madeira. All rights resevered. Designed by Templateism

Back To Top