29 outubro 2012

Group Cardoso Madeira Hotels - 26. 27 and Event April 28, 2013

Hotel School ****
- Double for two people with breakfast buffet included
- Single for one person with breakfast buffet included

Hotel: Alto Lido or Blue Bay
- Double BB: 2 person with breakfast buffet included
- Single BB: for 1 person with breakfast buffet included

Remarks:
- Contacting AMC / CGM for pricing;
- Prices are special and confidential payment directly with the hotel reception on arrival;
- Bookings must be made ​​by us AMC / CGM and is subject to hotel availability;


Reservation requests should be sent
referencing the event of Madeirense Academy of Meats to email marta.vasconcelos@cardosomadeirahotels.com.

Luz Rodrigues
Groups | Groups
Tel (+351) 291 762 990
Fax (+351) 291 763 830
luz.rodrigues @ cardosomadeirahotels.com

Group Porto Mar hotel prices for the dates 25 - April 30, 2013

All prices are per person and day:

CLIFF BAY HOTEL
Double Mountain view - 86.10 Euros x 2 people
Single - 130,00 Euros

Supplements (per person)
Side sea view - 14.20 euros
Seaview - 24.40 euros
Floors high sea view - 45.50 euros
Junior Suite - 64.70 euros
Executive Room - 83.90 euros

HOTEL PORTO SANTA MARIA
Studio Garden View - 67.50 euros x 2
Single - 99.00 Euros

Supplement (per person)
Partial Seaview Studio - 7.10 euros
Junior Suite - 27.30 euros

PORTO MARE HOTEL
Double garden view - 63.00 Euros x 2
Single - 93.00 Euros

Supplement (per person)
Twin sea view EUR 7.10
Superior twin sea view EUR 11.20
Junior Suite Euro 21:20

THE RESIDENCE PORTO MARE
Double (Studio) accomodation only - EUR 63.00 x 2
Double (Studio) with breakfast - 73.00 euros x 2

Supplement (per person)
T1 - 12.10 euros
T2 - 22.20 euros

HOTEL EDEN MAR
Studio accommodation only - 52.00 euros x 2
Studio with breakfast - 62.00 euros x 2

Supplement (per person)
Studio higher - 4.10 euros
Junior Suite - 6.70 euros
Suite - EUR 21.80

RESERVATIONS:
Ana Maria Vieira
Head of Desk
T: +351291200604
E: a.vieira@blandytravel.com

Hotéis do grupo Cardoso Madeira Hotels - Evento de 26.27 e 28 de Abril 2013

Hotel Escola****
- Duplo para duas pessoas com pequeno almoço buffet incluído
- Single para uma pessoa com pequeno almoço buffet incluído
 
Hotel: Alto Lido ou Baía Azul
- Duplo BB: para 2 pessoas com pequeno almoço buffet incluído
- Single BB: para 1 pessoa com pequeno almoço buffet incluído

Observações:
- entrar em contato com AMC/CGM para obter os preços;
- preços são especiais e confidenciais, com pagamento directamente na recepção do hotel à chegada;
- a reserva devera ser feita por nós AMC/CGM e esta sujeita a disponibilidade do hotel;

Os pedidos de reserva deverão ser enviados para o email marta.vasconcelos@cardosomadeirahotels.com fazendo referência ao evento da Academia das Carnes.

 

Preços dos hotéis do Grupo Porto Mar para as datas 25 – 30 de Abril 2013

Todos os preços são por pessoa e dia:

HOTEL CLIFF BAY
Duplo vista Montanha - 86,10 Euros x 2 pessoas
Single - 130,00 Euros

Suplementos (por pessoa)
Vista mar lateral - 14,20 euros
Vista mar - 24,40 euros
Pisos altos vista mar - 45,50 euros
Suite Júnior - 64.70 euros
Quarto executivo - 83.90  euros

HOTEL PORTO SANTA MARIA
Studio Vista jardim - 67.50 euros x 2
Single - 99.00 Euros

Suplemento (por pessoa)
Studio Vista mar parcial - 7.10 euros
Suite Júnior - -27.30 euros

HOTEL PORTO MARE
Duplo vista jardim - 63,00 Euros x 2 
Single - 93.00 Euros

Suplemento (por pessoa)
Twin vista mar 7.10 euros
Twin superior vista mar 11.20 euros
Suite Júnior 21.20 euros

THE RESIDENCE PORTO MARE
Duplo (Studio) só alojamento - 63,00 euros x 2
Duplo (Studio) com pequeno almoço - 73.00 euros x 2

Suplemento (por pessoa)
T1 - 12,10 euros
T2 - 22,20 euros

HOTEL EDEN MAR
Studio só alojamento - 52.00 euros x 2
Studio com pequeno-almoço - 62.00 euros x 2

Suplemento (por pessoa)
Studio superior - 4,10 euros
Suite Júnior - 6,70 euros
Suite - 21,80 euros

RESERVAS:
Ana Maria Vieira
Chefe de Balcão

24 outubro 2012

Um texto à madeirense!

Um texto à madeirense!

“Tava o vendeiro no paleio com o vadio do vilão quando ouviu uma zoada. Era a água de giro. O buzico do levadeiro que vinha mercar palhetes à venda, vinha às carreiras e a fazer patifarias e a chungalhar os badalos da vizinhança pelo caminhe abaixe como um demoine.
Dá-lhe uma cangueira, trompicou nas passadas e empuxou o vilhão qué um cangalhe dum home.
Bate cas ventas no lanço e esmegalha a pucra. O vilão dá-lhe uma reina vai a cima dele para lhe dar uma relampada, patinha uma poia. Ficou todo sovento.
O vendeiro dá-lhe uma rezonda por ele querer malhar num bizalho dum pequeno.
Vem o levadeiro, e, ao ver o vassola, que anda à gosma e a encher o bandulho à custa dos outros, a ferrar com o filho, fica variado do miolo e diz-lhe umas.
O vilão atazanado, atremou mal e pensou que ele lhe tinha chamado de chibarro, ficou alcançado, deu-lhe uma rabanada e foi embora todo esfrancelhado. O levadeiro ficou mais que azoigado mas lá foi desatupir a levada.
O piquene chegou a casa todo sentido, com um mamulhe. A mãe que é uma rabugenta mas abica-se por ele, ao ver ele todo ementado e a tremelicar das canetas, deu-lhe um chá que era uma água mijoca, pensando que canalha é mesmo assim, mas, como ele não arribava, antes continuava olheirento, entujado e da chorrica foi curar do bicho virado e do olhado roxo. O busico arribou e até já anda a saltar poios de bananeiras na Fajã.”

TEXTO, em Madeirense, para o XII CAPÍTULO

TEXTO, em Madeirense, para o XII CAPÍTULO
da
Academia Madeirense das Carnes - Confraria Gastronómica da Madeira
(29 Abril 2012)

"Aquintrodia, tava eu aprantado à frente da meinha tilvisão, despois dum dia de trabalho penoso, passado na fazenda a malhar cum as arcas nos camalhões das mantas do poio, sóa pra prantar um semelhal, cande o tilfone mai p’quineinho empeceu numa zuneida desvairada.
- Aie mê Deus, queim me quer atentar agoira qu’eisto tá mai que bom? Logo cande tave passeando deiante de meim, um carreire de moiças destaivadas, todas elas a modes qu’ua banana descascada. Aqueilhe era bem bom de se enxergar alei no escuro da sala. Ua beleza mai nunca avistada, obra da mãe natureza. E o qu’é fremoso eia pa se ver! Ua conscênça! Muneitas, muneitas, de verdade! Ua leindeza! Mai muneitas q’ei Mareinas de lá ein baixe, da rocha da Ponta do Sole e do Campanário. Amecês sabe do que tou falande. Nã sabe?? Ah! Est’pôre! E tamém sabe cuma eia… um hôme nã eia de ferro. Alhe, nã se esquecer q’o ferro tamém s’averga. A minha patroa inté já tava aferrada no sono, roncando cum’a porca da Marqueinhas do Fôre.
         Mas tava eu a dezer… case já m’esqueceia… eia asseim, a gente se vai pá eidade… eisto é ua digrácia!... Ah! A modos que foi tresantonte, à alpardeinha, cande o treme-treme zoinou ceinco vezes a reio. Claro, mêmo cramando das aduelas e ui regetes a tocar musca, atendei cum todo o respeito. Nunca se sabe quem vai botar faladura do outro lado do feio. Mai que surpresa! Deveia preceisar d’ajuda. E atão!!! Não era qu’era o hôme mai piqueno do sítio, o sr. Gregôrio, esse mêmo, o do Estreito?! De quem o raio da peste se foi alembrar? D’eu! Logo eu! Cá pra meim, teinha estupurado com algum cliente malcriado, asseim um cangalho dum hôme, que não quereia pagar a conta da espetada. Cá pá gente, que nã nuis ouve: Ele nã é hôme para se alcançar cuis outros. Nã é por míngua de tamanho. Atão cuma é: “Um hôme nã se mede ai palmos”… eisse é p’ai milheres. O senhor do restaurante tem um gênio forte e sabe entender ei coisas. E asseim é que deve ser! Mas… menos cheinfreim e mais história, que se faz tarde. O sr. Gregôrio teinha um conveite para eu vir aqueim, d’meitado, c’amecês. Eu einda rispostei:
- Si tá reinando comeigo, nã tá?
Ele que nã, eu que seim, ele afincava que nã, olha, calei-me, canã eia aparecer mais a tilfonia da Rádio Girão a dar musca pedeida.
Pois tá clare qu’aceitei o conveite e a gente se acertou o combinado. Nã fosse ei misses da tilvisão ouveir-me a falar alto e einda podeiam pensar qu’eu tava chamando o Gregôrio, feito bêbado tarraço. Aos pois, d’outra vez, metei-me no horário da Companheia, p’á Feijã dei Galeinhas, e veim por aeí fora, v’giando ui quefazeres dos hômes da fazenda. Nã tá nada mal ataganhado, nã s’hore! Eisto eia gente que dá na terra einté mai nã poder. A gente se falou lá ein ceima, no Pateim, e acertámos o que havera de suceder. Atão nã é qu’o hôme me falou pá função dos “Ameigos…ameigos…”, aei cuma eia… se me foisse da cach’mônia… qualquer coisa asseim… “… da Carne… Confrar… frar … pois eia, a “Confraria dei Carnes da Madeira”.
- Bom gosto tem ele, o sr. Gregôrio. Há pra aeí cada rolo de carne a pastar no caminhe, qu’é um regalo puis ôlhes.
Ah! Senhor, atão agora é asseim?  Ei Confrarias nã son deis igreijas, de Nossa Senhora da Graça e do Santíssimo Sacramento, mais ei dui Santos todos? Eu einté f’quei meio arreleiado. Será qu’o sr. Santo Papa, de Roma, sabe deisto? Credo, Cruzes canhoto! Ai Jasus, seja tudo p’lo amor de Deus im desconto dui nossos pecados. Avante, que o dia vai pecando! Atão, f’quei a saber qu’essa tal de Confraria dei Carnes é um grupo de hômes e mai milheres _ qu’elas fale tante de dreites e ingualdade cuis hômes, mais afinal ande mai tortas qu’um cepo de vides ou qu’as curvas todas dos caminhes da ilha. É ver o que vai eí fora! A gente teira o barrete! Fala-se dei milheres, mas se nã fosse elas nã havia hômes. E tamém é precise d’zer que se nã fosse uis hômes elas nã existiam. Mas avante…
Afeim de contas, a tal Confraria se reúne para falar de comeres da nossa terreinha, a ilha da Madeira. Quer se d’zer, falar e comer os comeres da nossa Região. E tá claro, há-de haver p’lo meio, lugar pa’ua peingueinha, pa molhar ei goelas. Qu’a seco, já custa o que o sr. Governo manda a gente engolir. Eles cá tão sempre a s’alambar do povo. É “come e não bufa”.
Einda pus-me a ceismar, a matutar, … mei de trejeito a nã maneiar…. e achei qu’eles têm razão do que fassem. S’a gente s’ouve tanto falar dei coisas dessas terras dos outros, por eí além, por que razão nã se vai de falar dei nossas? E há tanta coisa munita por í à volta. Inf’lizmente, há quem só einxergue mamarrachos e digrácias qu’inté parece que só sabe d’zer mal. Má leíngua a deles! É gente reles e má cum’ei cobras. Amecês que vigie à roda: Tanta leindura, tanta coisa muneita p’uis olhos vere, pa orelhas escutare, pa boca falare, po nareiz cheirare e pa gente apalpare. A Natureza eia um espante! Louvado seja Nosso Senhor! E por trás? Eh! Todo o mundo sabe qu’eia precise “comere p’ra vivere”. Nã se veive eia pa comere, qu’eisse eia feio e fai mal à saúde. Ein segueida, apanha-se um ror de maleitas que pr’aí hai, qu’um feica atarantado. E eia sempre o prove quem se trompeica. Einda s’alembre dui mancebos que veinhe da Brezuela cum bandulho redonde e atestados de oire nui braços e nu pescoço, p’a falar rapareiga p’a casare? Eisse foie do tempo das árvores dui bolivres. Ingora, pecou tude.
Mas… eimbora que faz tarde! Amecês já eimaginare o goste de uma refeição da terra sem aquelas coisas arteficiales que botam na cozedura? Imaginem qu’eisto eia um restaurante, sem aqueles salamaleques todos, aquelas fnezas que só prestam para se pagar mais. E deixem ei coiveinhas, o meilhe, os ispigues, o brigalhó mais o arroz e a massa p’os dias da semana, eim casa. Eisto de comer nã ia só frangolho. E se um tá debiqueiro, só c’u cheiro… alhe…, é cuma o peimpolho do Calvário, cande a mãe o mandou à venda mercar uma neiqueinha de salsa e veie p’lo cameinhe abaixe, com’um demoine, a chungalhar ui badales da vizinhaça. Ca pressa toda, trompicou-se numa calçada do chão, abicou-se cas fussas no areão do alcatrão e acabou atazanado ca pucra eimeigalhada e um ror de mamulhes. Cande chegou eim casa, às Avé Mareias, todo sovento e olharento e já a entujar o comer, a mãe deu-lhe ua rezonda e mai disse:
- Tens o buche virado? A meim nã me pisou nada! Neicles!
Cá pra meim, mai parece coisa de feit’ceiras. Qu’eu nã acredeite neisse, … mas… deizem qu’elas ande por eí.
Tava eu a d’zer, se bem m’alembro, qu’eisto de comer nã é só frangolho. P’ra começar, p’abrire a vontade de comere, uma poncheinha de limão, bem batida, com o caralheinho e tudo, qu’eisto por veia do freio eia ua tremura. Imentes se espera um bocado pelo prato, treinca-se uns pedaços de bolo do caco com manteiga de alhe, vai-se provando o veinho e a bilhardeice eia um vê se te aveias. Aie mê Deus, qu’alegreia! A seguir, vem a sopeinha de abóbra e feijão com çabolas, pimprinelas, um naco de massarocas e claro, abóbra amarela. Hum! Que regalo! Ou o capreicho dum cozido de coives quenteinhe, o saboroso paladar da carne de porco salgada, do inhame, dei semeilhas, dui nabos e dei cenoiras… Hum! Que deleicia! Ou antão, ua espetadeinha de vaca tenra, daquelas qu’o sr. Gregôrio serve na casa dele, o môlhe de sangue pingando pelo pau de loiro abaixe, com meilhe freite e selada. Einté me dá ua roeza na boca do estômago. E p’acabar o manjare, porque nã provar um bolo de castanhas? Se for caseiro, inda mai bom. Ah! Estepeilha! O pior eia se dá da chorreica! Mas cá deigue ua cousa: Oh! Diache! É bem melhor qu’um pau p’lo olho dentro, nã eia verdade? Credo, abrenuncie! Parece que já tou senteindo um ardor por reiba do pente! Ah! mãei, qu’ o cagaço!  Eu cá nã sei, mas daquei a nada, o sr. Gregôrio… a modes qu’ele eia o festeiro desta celebração, dá-me mas eia ua resonda. Eu tou a caçoar! Ah! Senhores, e nã há gente qu’eingeita de comere só pa nã f’care embalamado. Eu einté feique engulhado. Merece mas eia um malhão. Alhe, eu vou mas eia fechare a matraca antes qu’amecês, aí bem aboseirados, pense que mora o vento no meu jueize e me mande descascar semeilhas e deigue:
- Aquele injúrio desplantado veio aqueim mas eia cagar de saco. Vai mas eia atupeir ui grades no poio.
Nã eia verdade, nã Senhore. Tou a caçoare! Podeia-se tar pr’aqueim a bilhardare de tantos sabores tradeicionais desta terra de bons ilhéus. Mas que serve eisso? A “conversa não enche barreiga”. Antes qu’acabe e ui senhores nã atreme nem gerno da meinha faladura, amecês que atreme no que lhes deigo: “O que se leva desta veida eia o que se come e o que se bebe”. Já asseim falavam os nossos anteigos. E a gente se deve aprender é dos mais velhos, que destes mai novos… _ Aie Jasus, Maria e Josia!… Aqueilhe eia palrar demais p’o meu gosto. Eia só cagança por veia de um canudo de cartão. Inda têm tanto qu’aprender e um rôr sacas de meilhe p’a engoleire. Afiuso a amecês todos qu’eia verdade, verdadeinha. Verdade pura sagrada. E nã se esquêce: “Cordeiro manso mama a sua e mama a alheia”. Asseim cum’asseim, plui modes qu’eu veijo eiste aqueim, ninguém se vai reinar e fazer à rebendita. Aie, o que sereia a veida sem se leicare! Cada um vai-se apastorando cu’ma Salve Rainha, qu’eisto nem todolui deias eia “Deia de Festa”. E… me desculpe se m’eimbaracei na veida dui senhores, mas pense que nã agravei neinguém. Só f’care c’ua roeza na barreiga. Mas s’aconteceu, nã foie cum eintenção."


FIM

Autor: Lídio Araújo

23 outubro 2012

Conferência sobre 'Defender a Gastronomia Madeirense'

Academia Madeirense das Carnes organiza conferência sobre 'Defender a Gastronomia Madeirense'

'Defender a Gastronomia Madeirense' é o tema da conferência-debate que a Academia Madeirense das Carnes/ Confraria Gastronómica da Madeira está a organizar para Janeiro.
Em Outubro, Novembro e Dezembro estão marcadas várias presenças desta academia em Capítulos organizados por diversas confrarias:

Outubro
- XXXVIII Capítulo Geral e XVII Geral de Outono da Confraria dos Enófilos e Gastrónomos de Trás-os-Montes e Alto Douro.
- Capítulo da Confraria da Pedra, S. Tirso.
- Participa em Vila Nova de Poiares no acto eleitoral para os órgãos sociais da Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas.

Novembro
- Capítulo da Confraria da Marmelada de Odivelas.
- I Congressos das Confrarias Ibéricas, Guimarães.
- Capítulo da Confraria Gastronomia de Santarém.
- Capítulo da Confraria do Bucho de Arganil.
- Capítulo da Cofradia del Vino de Tenerife e de Canárias.
- VII Capítulo da Cofradia del Vino Reino de la Monastrell, Espanha.

Dezembro
- Capítulo da Confraria Nabos e Companhia, Mira.
- Capítulo da Confraria do Cabrito e da Serra do Caramulo.
- Capítulo Anual dell Confraternita Enogastronomica Terre d´Abruzzo, Itália.
- Capítulo da Confraria Ovos Moles, Aveiro.

Fotos, vídeos e informações sobre a Madeira

09 outubro 2012

Eleições FPCG - Lista candidata e programa

O Presidente da Mesa do Congresso da Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas, comunica a todas as Confrarias Federadas, que deu entrada nos prazos legais uma lista candidata aos Órgãos Sociais, para o acto eleitoral do próximo dia 26 de Outubro.
Verificada a conformidade dos documentos que me foram presentes, encabeçada pela Confraria da Doçaria Conventual de Tentúgal foi aceite, sendo-lhe atribuída a designação A.
Em anexo, remeto a referida lista, bem como o programa eleitoral correspondente.
- Programa

Saudações Gastronómicas,

O Presidente da Mesa do Congresso
(Confraria Gastronómica da Carne Barrosã)

Albano Álvares
--


Com tecnologia do Blogger.

 

© 2013 Academia Madeirense das Carnes - Confraria Gastronómica da Madeira. All rights resevered. Designed by Templateism

Back To Top