27 fevereiro 2021

'Pesquita' sabe a Câmara de Lobos

Nova cerveja artesanal foi produzida por um ribatejano que vive na Madeira.


Fonte: Diário de Notícias da Madeira, edição impressa de 27 de Fevereiro de 2021.



23 fevereiro 2021

Confraria do Vinho Verdelho dos Biscoitos tem nova sede

A Confraria do Vinho Verdelho dos Biscoitos tem nova sede, resultante de um protocolo de colaboração assinado com a Junta de Freguesia dos Biscoitos.



A Confraria do Vinho Verdelho dos Biscoitos tem nova sede, resultante de um protocolo de colaboração assinado com a Junta de Freguesia da costa norte da Terceira.

O protocolo prevê a cedência do espaço sede da Confraria, por detrás do edifício da Junta de Freguesia, por 12 anos, terminando assim a ligação à Casa Agrícola Brum, que, neste momento, equaciona aumentar a sua oferta museológica.

Francisco Maduro-Dias, Grão-Mestre da Confraria do Vinho Verdelho dos Biscoitos, quer que esta se assuma como a "plataforma" para o desenvolvimento e proteção deste vinho.

15 fevereiro 2021

Saber beber: A juventude e o vinho


Os nossos colegas do Consulado da Eslovênia da Ordo Equestris Vini Europae (OEVE) escreveram este artigo que se concentra na comunicação para os jovens. Gostaríamos de agradecer! Pelo seu caráter inovador, parece-nos do interesse de todos os membros do F.I.C.B.

O Consulado da Eslovênia da Ordo Equestris Vini Europae (OEVE), considerou o F.I.C.B. conceito de SABER BEBER, e considera que a expansão do conhecimento sobre o vinho e da atitude cultural em relação ao vinho começa melhor com os jovens.

A fim de tornar mais fácil o contato com os jovens eslovenos, foi introduzida uma nova função de ‘’ Assessor (in) ’’. Prevê-se um jovem com formação regular adequada entre 18 e 30 anos de idade que estaria ativo nas redes sociais, no site do consulado, em reuniões relevantes e com a ajuda de outros meios de comunicação, de forma interativa e da forma mais direta possível para se comunicar com seus pares. Isso abriria tópicos atuais relacionados ao vinho, com os três seguintes conjuntos em primeiro plano:

- Atitude adequada dos jovens em relação à vinha e ao vinho

- Beber vinho de forma moderada e cultural e em combinação com comida

- Interesse pela preservação da viticultura e vinificação e da Eslovênia como país vitivinícola

Após uma análise cuidadosa, o Conselho do Consulado selecionou uma estudante Meta Frangež, a 23ª Rainha do Vinho da Eslovênia (para o ano de 2019). O Senado OEVE também a confirmou no mesmo ano.

https://www.tasteofadriatic.com/post/2019/01/16/crowining-of-the-wine-queen-of-slovenia

As primeiras atividades dirigidas aos jovens eslovenos no domínio do vinho foram lançadas com sucesso nas redes sociais em 2020. O conceito para 2021, para além dos três permanentes, prevê quatro conjuntos adicionais, um em cada trimestre do ano. Além do que foi escrito acima, Assessorin Meta Frangež também anunciará para jovens seguidores em outros eventos interessantes.

Assim, a Ordo Equestris Vini Europae e o Consulado da Eslovênia agregaram mais um projeto às suas atividades regulares. Há uma crença entre os detentores de projetos de que é um dos mais importantes. As gerações mais jovens precisam de estar cientes de que o vinho é uma bebida alcoólica muito especial, incomparável e historicamente relacionada, que está presente desde o nascimento até a morte em todos os momentos da vida privada e pública.

Assessorin Meta Frangež dirige sua página no Facebook: "Meta Frangež - Assessora da Ordo Equestris Vini Europae, onde escreve sobre temas atuais no campo da viticultura e vinificação, diversas atividades e eventos. De uma forma moderna e atualmente também a única possível, ela comunica-se com os jovens e convida-os a ler e aprender sobre vinhos, com conteúdos interessantes e instrutivos.O conteúdo educativo já atraiu quase 1000 seguidores (na sua maioria jovens) a seguir o site, e mais deles aderem a cada publicação que ela faz.

As mensagens estão relacionadas com eventos atuais nas adegas, vinhas ou no mundo do vinho em geral, por ex. a última postagem está relacionada à poda e diz o seguinte:

Meus queridos seguidores,

Estamos na época da poda da vinha, que marca o início de uma nova safra vitivinícola. Inverno significa 'tempo de descanso' apenas para a videira e não para o viticultor. Cada enólogo começa uma nova história com a poda e já faz o seu vinho com diferentes métodos de poda.

A videira é naturalmente uma trepadeira, que se desenvolveu de forma livre e irrestrita ao longo da história. Quando o homem percebeu sua utilidade, começou a cultivá-la, para que fosse mais fácil colher as uvas. Com o corte, ele o forçou a não crescer muito selvagem. Assim, ainda hoje, o homem harmoniza seu benefício com as exigências da videira por meio da poda.

A poda regula o rendimento e a carga da vinha, o que tem uma influência decisiva na qualidade das uvas e do vinho que pretendemos produzir. Em uma videira sobrecarregada, as uvas não amadurecem bem e a videira se esgota com o passar dos anos. Nas vinhas onde a carga é insuficiente, fica exposto um forte crescimento, o que atrasa o desenvolvimento e a maturação das uvas.

Por isso o corte correto e adequado é extremamente importante para a qualidade das próprias uvas e posteriormente do vinho. Mas isso é apenas o começo. Para chegar ao vinho de alta qualidade, é necessário trabalhar com diligência e consistência na vinha durante toda a temporada.

Vamos ser um modelo de atitude para com o vinho, pois nele se investem muito trabalho, esforço e conhecimento. O vinho não é apenas uma bebida, é algo mais do que isso. Que abra nossas emoções e segredos, que solte nossa linguagem, mas em um tom respeitoso e cultural.

OS JOVENS NA ATITUDE CULTURAL PARA O VINHO



CONHEÇA OS DESIGNATIVOS DOS VINHOS EM PORTUGAL

 

Nos vinhos portugueses com direito a DO (Denominação de Origem) e IG (Indicação Geográfica) aparecem alguns designativos, também intitulados como menções tradicionais, que podem ser utilizadas na rotulagem do vinho e devem constar de contas-correntes específicas. Apesar de alguns ajustamentos de região para região, pois cada CVR estabelece normas regionais e os critérios técnicos para cada menção, é por vezes pelo facto de esses vinhos obterem mais alguns pontos na câmara de provadores que se determina a certificação, comprovada por um “selo” na garrafa.


Conheça as menções regulamentadas mais frequentes nos vinhos:

a) «Colheita selecionada», menção reservada para vinho que apresente características organoléticas destacadas e um título alcoométrico volúmico adquirido superior, pelo menos, em 1% ao limite mínimo legalmente fixado, sendo obrigatória a indicação do ano de colheita;

b) «Escolha», menção reservada para vinho que apresente características organoléticas destacadas, podendo, quando associada ao ano de colheita, ser designada como «Grande Escolha»;

c) «Garrafeira», menção reservada para vinho associada ao ano de colheita, de qualidade destacada e tenha, no caso do vinho tinto, um envelhecimento mínimo de 30 meses, dos quais pelo menos 12 meses em garrafa de vidro e, no caso do vinho branco ou rosado, um envelhecimento mínimo de 12 meses, dos quais pelo menos seis meses em garrafa de vidro. 

d) «Novo», menção reservada para vinho com menos de um ano de idade, comercializado no período entre o início e o final da campanha da sua produção, sendo obrigatória, no rótulo, a indicação do ano de colheita.

e) «Reserva», menção reservada para vinho associada ao ano de colheita que apresente características organoléticas destacadas e um título alcoométrico volúmico adquirido superior em, pelo menos, 0,5% ao limite mínimo legalmente fixado. Os critérios mínimos variam de região para região, tal como na mesma região pode diferir entre um vinho com DO ou um com IG. 

f) «Reserva Especial», menção reservada para vinho associada ao ano de colheita que apresente características organoléticas muito destacadas e um título alcoométrico volúmico adquirido superior, pelo menos, em 0,5% ao limite mínimo legalmente fixado. 

g) «Superior», menção para vinho que apresente características organoléticas destacadas e um título alcoométrico volúmico adquirido superior, pelo menos, em 1% ao limite mínimo legalmente fixado. 

h) «Grande Reserva», menção reservada para vinho associada ao ano de colheita que apresente características organoléticas muito destacadas e um título alcoométrico volúmico adquirido superior, pelo menos, em 1% ao limite mínimo legalmente fixado. 

j) «Velho», menção reservada para vinho que tenha um envelhecimento não inferior a três anos para vinhos tintos e a dois anos para vinhos brancos ou rosados, de qualidade destacada e um título alcoométrico volúmico adquirido mínimo de 11,5%.

i) «Velha Reserva», menção reservada para vinho associada ao ano de colheita que tenha um envelhecimento não inferior a três anos para vinhos tintos e a dois anos para vinhos brancos ou rosados, com atributos organoléticos muito destacados e um título alcoométrico volúmico adquirido superior em, pelo menos, 1% ao limite mínimo legalmente fixado. 

j) «Ligeiro» ou «Baixo Grau», menção reservada para vinho que apresente um título alcoométrico volúmico adquirido mínimo igual ou inferior a 10,5%, devendo a acidez total expressa em ácido tartárico ser igual ou superior a 4,5 gr./lt. e os restantes parâmetros analíticos estarem de acordo com os valores definidos para os vinhos em geral. 

l) «Premium», menção reservada para vinho proveniente de um lote que apresente uma qualidade superior e evidencie características organoléticas destacadas, não sendo suscetível de disposições mais restritivas.

Fonte: Revista de Vinhos

Mostrar à Europa como se pesca a gata (vídeo)

A Confraria Enogastronómica da Madeira diz que não faz qualquer sentido a interdição da pesca do xara, conhecido na ilha por peixe gata. A confraria vai convidar os responsáveis europeus para acompanharem a pesca desta espécie nos mares da Madeira.



É a segunda vez que a Europa proíbe a captura e o comércio do peixe xara. Uma espécie da família dos, tubarões, na Madeira.

Em 2015 Bruxelas também interditou os pescadores do peixe espada preto, de Câmara de Lobos, de realizarem negócio com a gata.

Na cidade, não aceitam a nova ordem e não faltam argumentos.

O peixe gata é um petisco. Chamam o bacalhau de Câmara de Lobos.

Entre janeiro e dezembro, deste ano, a Comissão Europeia e as organizações de pesca retiraram à Madeira o regime de excepção que havia para a captura
desta espécie de tubarão.

Fonte: RTP-Madeira

12 fevereiro 2021

Confraria Enogastronómica da Madeira lamenta proibição da captura do peixe-gata


A Confraria Enogastronómica da Madeira lamenta que, após tanta luta nos anos de 2015 e 2016, para reversão da proibição da pesca do peixe- gata, venha a Região, volvidos três anos, ver-se privada dessa conquista.

"A Confraria apela a todas forças vivas a congregar esforços de modo a rever esta proibição, tendo em consideração que a sua captura é acessória, inevitável e socialmente relevante. Mais do que o seu valor económico, é um marco identitário do município de Câmara de Lobos, celebrizado em inúmeras fotos da baía do concelho e um patrimônio imaterial da gastronomia da Região que importa defender, preservar e classificar", refere através de comunicado.


A confraria indica que irá sensibilizar as suas congéneres "para este atentando promovendo uma petição pela discrimição positiva da região e pela reactivação da quota de pesca-gata em vigor nos últimos anos".

"A CEM prontifica-se a dinamizar oportunamente um encontro / debate gastronómico em Bruxelas, com as nossas eurodeputadas, as forças do município de Câmara de Lobos, os responsáveis da União Europeia e representantes de diversas confrarias europeias, que tal como nós defendem a herança cultural e gastronômica dos seus povos", conclui.



La Fraternité regrette la nouvelle interdiction de pêcher le poisson-Gata

La Confrérie Enogastronómique de Madeira regrette ainsi qu'après tant de lutte en 2015/2016 pour le renversement de l'interdiction de pêche au gata / xara / cabillaud de Câmara de Lobos, soient venus dans la région, après trois ans, pour être privé de cette conquête .

La Fraternité appelle toutes les forces vives à unir leurs forces afin de réviser cette interdiction, en tenant compte du fait que sa capture est accessoire, inévitable et socialement pertinente. Plus que sa valeur économique, c'est un repère identitaire de la commune de Câmara de Lobos, célèbre dans de nombreuses photos de la baie du comté et un patrimoine immatériel de la gastronomie de la région qu'il est important de défendre, de préserver et de classer.

La confrérie sensibilisera ses homologues à cet égard en promouvant une pétition pour la discrimination positive de la région et pour la réactivation du quota de silure en vigueur ces dernières années.

Le CEM est prêt à promouvoir une rencontre / débat gastronomique à Bruxelles, avec nos députés, les forces de la commune de Câmara de Lobos, les responsables de l'Union européenne et les représentants de plusieurs fraternités européennes, qui, comme nous, défendent le patrimoine culturel. et la gastronomie de ses habitants.

06 fevereiro 2021

Peixe gata precisa de estudo

Pedro Coelho questiona se tudo foi feito para salvar a pesca deste tubarão. 

Fonte: Diário de Notícias da Madeira, edição impressa de 6 de Fevereiro de 2021.

05 fevereiro 2021

"Chega a um tempo que temos de fazer como eles querem"

Armador de Câmara de Lobos está descontente com proibição de Bruxelas de pescar gata.



Os pescadores não vão deixar de pescar gata, não porque queiram, mas porque é impossível nos moldes actuais não a pescar quando andam na faina da espada e não consideram ser razoável a decisão da Comissão Europeia de proibir a captura, transporte e descarga, uma vez que o peixe é pescado entre 600 a 800 metros de profundidade e quando chega à superfície está morto. “Jogar fora é triste”, diz Alexandre Rodrigues, armador de Câmara de Lobos. “É triste jogar fora um peixe que vem do mar para a rua já morto”.

O pescador com uma larga experiência argumenta que, se não permitem vender em lota, pelo menos deixem os pescadores fazerem à sua maneira, usá-la como isco ou levar para casa para as famílias. Esclarece que não há outro sistema para pescar a espada disponível que evite que a gata morda o anzol a tanta profundidade. “O aparelho vai para a água, o que está lá no fundo, se tiver vontade de comer, come”, desabafa. “Não há maneira de evitar apanhar esse peixe, nem a gente, nem em parte nenhuma do mundo inteiro”.

O armador acredita que a decisão partiu de quem não tem conhecimento. E diz que na pesca de rede, a meia-água, é que os peixes chegam vivos na rede e podem ser escolhidos e as espécies protegidas devolvidas ao mar. A pressão na subida é tanta na pesca da espada, que o peixe não resiste e morre sempre.

Este é no entender de muitos um retrocesso no processo que não beneficia nem os homens do mar, nem a espécie, que vai continuar a ser capturada involuntariamente. O fim é que será diferente, uma vez que não pode ser tida a bordo das embarcações. Será devolvida ao mar para ser consumida pelas gaivotas, diz o pescador. “Vai andar a boiar em cima de água. Depois de morta ela não vai para o fundo, ela fica em cima de água a boiar, as ‘gavinas’ começam a picar até dar fim do peixe”. “Eu acho isso injusto, acho isso mal.”

Nesta fase Alexandre Rodrigues conta que não têm vindo muitas gatas nos anzóis. “As gatas - a gente chama xaras -, as xaras parece que ouvem estas confusões, desaparecem”. Num lance, revela o armador, podem vir 10 a 12, em outras ocasiões 15 a 20, no meio de 30 a 40 espadas, 50 a 60. “Depende”.

Além desta espécie de tubarão de profundidade também por vezes vêm outras espécies, como o espadarte ou mesmo um atum, que vive muitos metros mais acima, é apanhado quando o aparelho está a ‘correr’.

O pescador confessa que há muita procura pela gata, também chamada sapata e bacalhau de Câmara de Lobos, por ser branco e vendido seco. “As pessoas adoram esse peixe”. À pergunta se os pescadores vão tentar contar a proibição, não acredita. “Temos de cumprir com a lei da União Europeia, a gente já tem medo e cada vez está pior. Se a gente trouxer um peixinho desses para terra sem ter ordem, apanha uma multa. É somos capazes de ficar sem a licença de pesca”. “Chega a um tempo que temos de fazer como eles querem: é jogar fora. Não se pode arriscar”.

Alexandre Rodrigues assume que deitar a gata fora vai representar prejuízo para os pescadores, que contavam com esse rendimento para cobrir alguns custos da pesca. “É prejuízo para a gente, que não se ganha dinheiro, não se ganha nada. E é um peixe que já vem preso, sempre dava para safar, para pagar o isco ou pagar o gasóleo, ou a comida.”

O proprietário revela que a fiscalização tem sido mais apertada no cais, que os inspectores inclusive entram dentro do barco. “Não vão aos camarotes por sorte”, comentou. “Até à cozinha com olho-de-boi eles iam para ver se estava suja ou se estava limpa. Mas não é. É para ver se tinha alguma coisa lá de peixe”. “Agora é que não se pode levar um peixe em modos para casa, isto é um absurdo”, terminou.

Fonte: Diário de Notícias da Madeira

01 fevereiro 2021

CEM defende realização do 'Madeira Wine Discovery Tour' no Outono de 2022

 

A Confraria Enogastronómica da Madeira defende a realização  do evento "MADEIRA WINE DISCOVERY TOUR", promovido pela Federação Internacional das Confrarias Baquicas no Outono de 2022.


Assembleia Geral da FICB de 30 de Janeiro de 2021

Neste período de pandemia, o 2021 F.I.C.B. a assembleia geral foi realizada em Paris, conforme previsto em 30 de janeiro, mas em condições excepcionais. Uma legislação especial francesa devido às restrições de viagens permitidas este ano para voto por correspondência. As deliberações submetidas à aprovação da assembleia geral foram assim preparadas em reunião remota do conselho de administração realizada a 21 de janeiro e os membros puderam votar por correspondência. Graças a esta disposição, o quorum (19, ou seja, pelo menos um terço dos membros presentes ou representados) foi amplamente alcançado: 44 membros presentes ou representados ou que votaram por (e) correio, de 57.

As principais decisões da assembleia geral foram as seguintes: 

- Aprovação do relatório do presidente, da demonstração de resultados e do balanço para 2020, com ratificação da possibilidade dada aos membros em dificuldade devido à pandemia de pagar apenas uma quota de membro para 2020 e 2021; 

- Atualização do calendário do F.I.C.B. eventos internacionais: Congresso Internacional na Itália de 3 a 9 de junho de 2021 (a ser reconfirmado porém antes do final do primeiro trimestre dependendo da evolução da situação de saúde mundial), International Wine Tasting Challenge na Hungria de 2 a 7 de junho de 2022 e International Wine Tasting Challenge Congresso em Portugal de 24 a 29 de maio de 2023;

- Projecto de um “Madeira Wine Discovery Tour”, promovido pela F.I.C.B. no outono de 2022;

- Decisão de solicitar ao comitê executivo que proponha à Assembleia Geral de 2022 uma revisão dos estatutos nos seguintes pontos:

Esclarecer as condições de renovação dos mandatos dos membros do conselho de administração;

Fornecer detalhes sobre as nomeações e responsabilidades dos vice-presidentes;

Dar a possibilidade de voto por correspondência para a assembleia geral, quando circunstâncias externas o exigirem;

Faça referência à "Carta Internacional das irmandades do vinho do F.I.C.B.", adotada em 2015.

Inclui os novos tipos de F.I.C.B. eventos criados desde a última revisão dos estatutos em 2011: "F.I.C.B. International Wine Tasting Challenge" e "F.I.C.B.

- Aprovação do Orçamento 2021 com renovação das quotas (membro ativo: € 150, membro associado: € 100, taxa de admissão: € 50). 

- Fixação da data da assembleia geral de 2022 para sábado, 29 de janeiro de 2022, às 10h00 em Paris 

No final da assembleia geral, o presidente agradeceu aos sócios a compreensão e adaptação às circunstâncias particulares da organização desta assembleia geral, desejando a todos boa saúde e logo a saída do período de pandemia que atinge todo o planeta. , com a esperança de voltar em breve às reuniões de convívio que caracterizam nossas irmandades do vinho e nossa federação.

Click here for a more detailed presentation of the outcome of the 2021 General Assembly

 

14 janeiro 2021

"Vinski Viteski Red Sumadije"

Em Kragujevac, no dia 25 de maio de 2013, no Dia Mundial do Vinho, foi fundada a Vinski Viteski Sumadije (Ordem dos Cavaleiros do Vinho de Sumadije). Uma associação de cidadãos que se esforça para atingir objetivos no campo do desenvolvimento e fomento da cultura do vinho, ciência do vinho e viticultura, ecologia e afirmação de valores cavalheirescos e atividades humanitárias.

Os fundadores da Ordem são os Cavaleiros do Vinho, cidadãos de Sumadija, que primeiro passaram no exame para Os Cavaleiros Mensageiros do Vinho, as Senhoras do Vinho e em seguida para os Cavaleiros do Vinho.

Na Assembleia de Fundação, que se realizou  no dia 25 de maio de 2013, no Hotel Kragujevac, os membros da Vinski Vitezovi red Sumadije fizeram o Juramento Solene: 

"Comprometo-me a respeitar e promover a viticultura e a cultura do vinho de Sumadija e da Sérvia. Comprometo-me a fomentar e divulgar as virtudes cavalheirescas do vinho em todo o lado, realçar o elevado valor do vinho e sempre que possa, apreciá-lo com os meus amigos".




 U Kragujevcu, 25 maja 2013. godine, baš na Svetski dan vina, osnovan je Vinski viteški red Šumadije, udruženje građana koje teži ostvarivanju ciljeva u oblasti razvoja i negovanja vinske kulture, nauke o vinu i vinogradarstvu, ekologije, kao i afirmaciji viteških vrednosti i humanitarnih aktivnosti. Osnivači Reda su Vinski vitezovi i Vinske dame, građani Šumadije, koji su pred kumovskim Vinskim viteškim redom Simeon iz Vlasotinca najpre položili ispit za Vinske vitezove glasnike, Vinske dame, a potom i za Vinske vitezove. Na Osnivačkoj skupštini, koja je održana 25. maja 2013. u 12:00 časova u hotelu Kragujevac, Vinski vitezovi i Vinske dame položili su svečanu zakletvu čiji tekst glasi:

"Obavezujem se da ću poštovati i unapređivati vinogradarsku i vinarsku kulturu Šumadije i Srbije.Obavezujem se da ću svuda i na svakom mestu negovati i širiti vinske viteške vrline, isticati visoku vrednost vina i, kad god mogu, uživati u njemu sa svojim prijateljima."

13 janeiro 2021

Novo Ano, Novo Capítulo - 2021

 Prezados Confrades e Amigos,


Novo Ano, Novo Capítulo, assim desejamos que seja! Com muita saúde, muita alegria e que finalmente possamos conviver livremente com cada um de vós.

Juntos iremos manter vivas as nossas regiões, as nossas tradições, os nossos produtos, em suma, as nossas VIDAS!

Estamos esperançosos que a nova vacina nos possibilitará reunir em segurança já no próximo verão. Nesse sentido iremos realizar excepcionalmente o nosso Grande Capítulo, que tradicionalmente se realiza em Abril, entre 24 e 27 de setembro de 2021.

Como sempre, todos vós são bem-vindos.

Grande e saudoso abraço da ilha da Madeira, que vos aguarda de braços abertos.



2021 - New Year, New Chapter


Dear Brothers and Friends,


New Year, New Chapter, we hope so! May it be with plenty of health, plenty of joy and may we finally can gather freely with each one of you.

Together we will keep our regions,  our traditions, our products, in short, our LIVES ALIVE!

We are confident that the new vaccine will enable us to meet safely next summer. In this sense, we will hold our Grand Chapter, which traditionally takes place in April, between 24 and 27 September 2021.

As always, you are all welcome.

Warm hug from Madeira, which awaits you with open arms.

Cordiais saudações,

Pela direção,

01 janeiro 2021

“Bebam vinho, não há lugar no céu para abstêmios"


“Bebam vinho, não há lugar no céu para abstêmios." Estas são as palavras de Dom Cesena, que desencadearam a alegria dos seus fiéis e de toda a Itália.




"Bevete vino, non c’è spazio in paradiso per gli astemi”, queste le parole di don Cesena che hanno scatenato l’ilarità dei suoi fedeli e dell’Italia intera.


24 dezembro 2020

Santo e Feliz Natal

 Prezados Confrades, amigos e familiares,

A Confraria Enogastronómica da Madeira faz votos de um Santo e Feliz Natal com toda a segurança junto dos que lhe são mais queridos.

Relembre à "Festa"

«A comemoração do Natal na Madeira, envolve milhentos pormenores, com características diferentes daqueles que se praticam nas restantes zonas do país. […] a tradição e as práticas religiosas serão as mesmas, mas os usos e costumes do nosso povo têm diferenças notórias.»
PIO. M. F., 1980 (25 de dezembro), «O Natal Madeirense» in Jornal da Madeira, n.º 15089, Funchal.

A Tradição da "Festa" pela A Biqueira

Esta quadra, tão rica nas ilhas da Madeira e Porto Santo, deixamos uma recolha de documentos antigos, livros, hiperligações, sugestões de atividades e jogos, recolhidos a partir do acervo do Arquivo e Biblioteca da Madeira.
Explore a página e saiba mais sobre as Memórias do Natal Madeirense.



23 dezembro 2020

Online wine tastings in Portugal

 News

Online wine tastings in Portugal

The Portuguese Federation of Bachic Brotherhoods has not remained inactive in these times of pandemic.

" Com o passar do vinho os anos melhoram" ( With the passage of the wine the years improve )

It is with this motto invented for the occasion that it has organised online tastings to introduce the brotherhoods and regional producers, on Thursdays at 6 pm, and by making it known on Facebook ( https://www.facebook.com/ampvinho).

Successively the Brotherhoods of Our Lady of the Tagus, Vinho Verde, the wines of Lisbon-Estremadura, Alentejo, and the oenogastronomy of Madeira were mobilised to organise sessions, attracting participants as far away as Brazil.

These sessions usually last half an hour, often more when there are questions. They begin with a presentation by the organising Brotherhood, then the floor is given to a few producers to present their wines.

The last sessions were devoted to festive wines.

Here is a video to get into the atmosphere!

https://www.facebook.com/ampvinho/videos/682904499094303



22 dezembro 2020

'Palmeira e Voltas' e 'Xavelha' em destaque para este Natal

'Néctares' de Octávio Ferraz ganham notoriedade nacional na Revista de Vinhos deste mês. Produzidos em Câmara de Lobos, 'Xavelha' e 'Palmeira e Voltas' receberam altas cotações.

Fonte: Diário de Notícias, edição impressa de 22 de Dezembro de 2020 


17 dezembro 2020

Variedades tradicionais da Região Autónoma da Madeira


AS VARIEDADES LOCAIS (LANDRACES)


As variedades locais (landraces) são uma componente fundamental da agrodiversidade e dos recursos genéticos para a agricultura e alimentação. A mera existência na Região Autónoma da Madeira (RAM), e o seu uso pelos agricultores e pelo setor primário, assume grande importância em termos de segurança e qualidade alimentar, sustentabilidade do território e diversificação da economia rural. Estas desenvolvem-se em áreas geográficas delimitadas, devido à interação de múltiplos fatores, entre os quais se incluem a manutenção e “seleção” do material de propagação pelos agricultores, condições agroecológicas específicas e diversidade ecogeográfica, sistemas de produção (agrossistemas) únicos e a ação seletiva de fatores abióticos ou bióticos.

A Região Autónoma da Madeirareúne condições ímpares, onde ocorre a interação de vários destes fatores num território pequeno, mas com grande diversidade de condições agroecológicas. Mais de 160 espécies com uso agrícola foram introduzidas na Região, para fins alimentares, condimentares, religiosos, medicinais, ornamentais ou outros.

A maioria destas espécies permanece em uso no território. As principais culturas agrícolas caracterizam-se por serem detentoras de uma grande diversidade intraespecífica construída por variedades locais ou tradicionais.


As variedades locais ou tradicionais são uma entidade (população no campo agrícola) ou conjunto de entidades, com distribuição ecogeográfica comum, que resultam da ação secular dos agricultores, partilham carateres botânicos ou agronómicos chave, são heterogéneas, estão adaptadas às condições ambientais e agroecológicas, a práticas agrícolas locais, possuem um registo histórico documentado e apresentam valor agrícola (agronómico) e etnográfico, ou estão associadas a tradições económicas, gastronómicas, culturais ou religiosas.

Estas variedades possuem figura jurídica legal conferida pela Commission Directive, 2009/145/EC. No entanto, o seu reconhecimento está dependente de um conjunto de requisitos, que envolve a sua correta cadastragem, documentação, registo e manutenção.

O Banco de Germoplasma ISOPlexis desenvolve, desde 1996, um programa de inventariação, conservação ex situ e in situ, cadastragem e avaliação das variedades locais e tradicionais da RAM.

Esta página destina-se a identificar algumas dessas variedades locais e divulgar a sua importância junto de agricultores e da população em geral, de modo a garantir o seu reconhecimento e valorização pela sociedade.

Festa é Festa 2020


Partilhamos o programa televisivo "Festa é Festa 2020", da RTP-Madeira, sobre as tradições que marcam o Natal Madeirense. Um programa que aborda a forma como habitualmente os madeirenses vivem esta época do ano.



Com tecnologia do Blogger.

 

© 2013 Confraria Enogastronómica da Madeira. All rights resevered. Designed by Templateism

Back To Top